A Infertilidade é uma síndrome multifatorial que pode ter origem primária ou causas secundárias. Especificamente para as mulheres, a manutenção da reserva de oócitos pode ser afetada por fatores extrínsecos, como medicamentos, e intrínsecos, como na endometriose, diabetes, síndrome do ovário policístico [PCOS] e envelhecimento ovariano. Estudos revelaram que a qualidade e a quantidade de oócitos diminuem gradualmente com o aumento da idade, implicando em um declínio da sua capacidade funcional e, consequentemente, afetando a fertilidade feminina. A oxidação causada por radicais livres pode resultar em atresia folicular e envelhecimento dos oócitos. Pesquisas já relacionam o estresse psicológico e envelhecimento com o desequilíbrio oxidativo. O estresse crônico provoca um aumento contínuo do nível de cortisol, podendo comprometer as funções celulares normais.

Nesse sentido, pesquisadores compararam marcadores de estresse e hormônios reprodutivos em mulheres férteis e inférteis e relacionaram os marcadores com a idade, duração e causa da infertilidade, e índice de massa corporal (IMC).

O estudo de caso-controle, que foi publicado no periódico científico Journal of Pakistan Medical Association, incluiu mulheres com idades entre 16-50 anos, que foram divididas em um grupo de casos de infertilidade, grupo A, e de controles férteis, grupo B. Os investigadores coletaram amostras de sangue das participantes para medir o hormônio folículo estimulante (FSH), hormônio luteinizante (LH), estradiol, cortisol e glutationa redutase.

Foram inscritas no estudo 328 mulheres, sendo 164 para cada grupo. Após os resultados dos exames, os pesquisadores encontraram que o LH e o cortisol foram maiores no grupo A do que no grupo B. A glutationa redutase foi baixa no grupo A em comparação ao grupo B. A duração da infertilidade, os níveis séricos de glutationa redutase e o cortisol também foram significativamente diferentes entre as mulheres inférteis, dependendo da causa da infertilidade. O cortisol sérico apresentou uma correlação negativa com a glutationa redutase. A idade e o índice de massa corpórea apresentaram uma correlação positiva com o cortisol sérico, e uma correlação negativa com a glutationa redutase.
Frente a esses resultados, os autores do estudo concluíram que a duração prolongada da infertilidade, a idade das mulheres e o índice de massa corporal aumentaram a produção de hormônios do estresse e diminuíram a atividade antioxidante, o que aumentou o risco de infertilidade nessas mulheres.


Acesso em 18 Jul 2019. Disponível em: https://jpma.org.pk/article-details/9145?article_id=9145

Embora a maioria das mulheres apresente NVG no início da gravidez, parece haver uma variabilidade significativa nas respostas à NVG.

REFERÊNCIAS

  1. Alam F, Khan TA, Amjad S, Rehman R.

    Association of oxidative stress with female infertility - A case control study.

    J Pak Med Assoc. 2019 May;69(5):627-631.