A cefaleia é um motivo comum de consulta entre adolescentes e adultos jovens. O diagnóstico correto e o tratamento apropriado são essenciais devido ao seu impacto negativo no bem-estar físico, psicológico e social desses pacientes.

Nesse sentido, pesquisadores analisaram as características de uma série de pacientes jovens que visitam uma clínica especializada em dor de cabeça, estimando a prevalência dos diferentes tipos de dores de cabeça listados pela Classificação Internacional de Cefaleias (ICHD).

Para o estudo, que foi publicado no periódico científico Neurología, foram recrutados prospectivamente pacientes com idades entre 14 e 25 anos, que foram tratados em uma clínica especializada, durante um período de 6,5 anos. Os pesquisadores registraram o sexo de cada paciente, os resultados de exames complementares e o tratamento anteriormente recebido. O impacto negativo da cefaleia na qualidade de vida foi avaliado pelo Teste de Impacto de Dor de Cabeça de 6 itens (6-item Headache Impact Test [HIT-6]). Subsequentemente, os pesquisadores compararam as características dessa amostra com as de pacientes com mais de 25 anos.

Durante o período do estudo, foram atendidos 651 pacientes com idades entre 14 e 25 anos. Destes, 95,6% receberam tratamento sintomático e 30,1% receberam tratamento preventivo. Os investigadores registraram um total de 755 episódios de dor de cabeça. Apenas 80 casos eram de cefaleias secundárias, a maioria das quais foram classificadas, segundo o ICHD como cefaleias atribuídas ao uso de substâncias ou à sua supressão. Em relação às cefaleias primárias, 77,2% foram classificadas como migrâneas, 3,1% como cefaleia tensional, 1,2% como cefaleia trigeminoautonômica, 5% como outras cefaleias primárias. Em relação ao grupo de neuropatias cranianas dolorosas, outras dores faciais e outras cefaleias, 0,6% foram classificadas como lesões dolorosas dos nervos cranianos e outras dores faciais e 0,9% como outras cefaleias. De acordo com a pontuação no HIT-6, a cefaleia teve um impacto no mínimo moderado na qualidade de vida de 449 pacientes.
Frente a esses resultados, os pesquisadores puderam concluir que a maioria das dores de cabeça em pacientes jovens podem ser classificadas de acordo com os critérios do ICHD. A migrânea foi o diagnóstico mais frequente nesta amostra e, embora a dor de cabeça tenha sido comumente associada com um impacto negativo na qualidade de vida, a maioria dos pacientes receberam pouco tratamento preventivo antes de serem encaminhados para a clínica especializada.

Acesso em 19 Jul 2019.
Disponível em: https://www.elsevier.es/en-revista-neurologia-english-edition--495-articulo-headache-in-young-patients-clinical-S2173580818301639

A maioria das dores de cabeça em pacientes jovens podem ser classificadas de acordo com os critérios do ICHD.

REFERÊNCIAS

  1. Pedraza Hueso MI, Ruíz Piñero M, Martínez Velasco E, Juanatey García A, Guerrero Peral AL.

    Headache in young patients: Clinical characteristics of a series of 651 cases.

    Neurologia. 2019 Jan - Feb;34(1):22-26.