O diagnóstico de Helicobacter pylori (H. Pylori) é uma tarefa desafiadora apesar da disponibilidade de vários métodos de diagnósticos. Entre os métodos, as investigações histológicas apresentam como desvantagem o longo tempo de resposta, devido às preparações envolvidas no processamento das amostras. Desse ponto de vista, um método rápido e de baixo custo para o diagnóstico da infecção por H. pylori permitiria o início do tratamento imediatamente.

A citologia por decalque (“imprint”) é uma técnica raramente utilizada, que permite a visualização de H. pylori através de um método simples de coloração, que pode complementar seu diagnóstico. Estudos anteriores demonstraram a utilidade diagnóstica do método, revelando uma alta sensibilidade (83%) e especificidade (100%), também revelando que a combinação da citologia por decalque (CD) com exames histológicos pode melhorar a precisão diagnóstica para 100%. No entanto, a CD raramente é utilizada para o diagnóstico do H. pylori.

Nesse sentido, pesquisadores compararam a utilidade de dois métodos de coloração para a CD no diagnóstico de infecção por H. pylori.

Para o estudo, que foi publicado no periódico científico BMC Research Notes, foram coletadas amostras de biópsias gástricas de pacientes dispépticos durante exames de endoscopia digestiva alta de rotina. Para cada participante foram coletadas duas amostras, que foram colocadas em lâminas de vidro para obter os “imprints”. Posteriormente foram coradas com azul de toluidina ou Giemsa separadamente e observadas ao microscópio. As biópsias também passaram por análise histológica. O diagnóstico de infecção por H. pylori em ambas as amostras de CD e histológica foram confirmados por um patologista. A sensibilidade, especificidade, valor preditivo positivo e valor preditivo negativo de cada CD foram calculados e comparados com o diagnóstico histológico.

Dos 55 pacientes dispépticos envolvidos no estudo, 7 foram positivos para H. pylori pela histologia, 5 pela coloração com azul de toluidina e 4 pela coloração de Giemsa. A sensibilidade do azul de toluidina (57,1%) foi maior que a de Giemsa (42,9%), enquanto que a especificidade de ambas as colorações foi igual (97,9%). A coloração de Giemsa proporcionou uma melhor discriminação para a identificação da bactéria H. pylori.
Os autores do estudo concluíram que, embora a CD isolada seja menos sensível que a histologia no diagnóstico da infecção por H. pylori, ela oferece um método de triagem rápido, econômico e simples, que pode complementar os achados histológicos, aumentando assim a sensibilidade diagnóstica. Adicionalmente, as amostras de biópsias utilizadas para a preparação da CD podem subsequentemente ser utilizadas para as investigações histológicas, maximizando assim a utilidade diagnóstica da amostra.

Acesso em 14 Ago 2019. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6048746/pdf/13104_2018_Article_3592.pdf

Embora a CD isolada seja menos sensível que a histologia no diagnóstico da infecção por H. pylori, ela oferece um método de triagem rápido, econômico e simples, que pode complementar os achados histológicos, aumentando assim a sensibilidade diagnóstica.

REFERÊNCIAS

  1. Arachchi PS, Weerasekera MM, Seneviratne B, Weerasekera D, Fernando N, Gunasekara CP.

    Imprint cytology: a useful screening test for diagnosis of Helicobacter pylori in resource poor settings.

    BMC Res Notes. 2018 Jul 16;11(1):481.