A suplementação alimentar com fibras dietéticas pode ser uma estratégia para o controle da doença do refluxo gastroesofágico (DRGE), por meio da diminuição da motilidade estomacal e intestinal, prolongado o período de esvaziamento gástrico.

Nesse sentido, pesquisadores avaliaram os efeitos das fibras alimentares sobre os sintomas e parâmetros do teste de função esofágica em pacientes com DRGE não erosiva (DRNE).

Para pesquisa, que foi publicada no periódico científico World Journal of Gastroenterology, foram incluídos 36 pacientes com DRNE com ingestão de fibra dietética inferior a 20g diárias. Os pacientes foram examinados com o uso do questionário de sintomas (GERD-Q), manometria esofágica de alta resolução, exame de pH esofágico de 24 horas, e do questionário de frequência alimentar antes e após 10 dias da administração de uma dieta suplementada com 5g de fibra de psilênio, três vezes ao dia. Ao final do estudo, estiveram disponíveis para a análise os dados completos de 30 pacientes.

Após o período de tratamento, o número de pacientes com pirose foi menor, passando de 93,3% no início para 40% no final do estudo. O escore GERD-Q diminuiu, passando, em média, de 10,9 no início do estudo para 6 ao final do tratamento. A pressão mínima do esfíncter esofágico inferior (EEI) em repouso aumentou, em média, de 5,41 para 11,3 mmHg, mas não foi encontrada nenhuma alteração na pressão residual do EEI e na pressão média de repouso. O número total de refluxos gastroesofágicos (RGE) diminuiu, em média, de 67,9 para 42,4, principalmente em relação aos RGE ácidos. Não foi registrada nenhuma alteração significativa no pH esofágico ou no período de tempo médio em que o pH permaneceu abaixo de 4. O tempo máximo de refluxo diminuiu, em média, de 10,6 para 5,3 minutos.
Na conclusão dos autores do estudo, uma dieta rica em fibras promoveu uma melhora nos sintomas da DRGE, levando a um aumento significativo da pressão de repouso do esfíncter esofágico mínimo, uma diminuição do número de refluxos gastroesofágicos, e uma diminuição da frequência semanal da pirose em paciente com DRNE.

Acesso em 14 Ago 2019. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5989243/pdf/WJG-24-2291.pdf

Uma dieta rica em fibras promoveu uma melhora nos sintomas da DRGE, levando a um aumento significativo da pressão de repouso do esfíncter esofágico mínimo, uma diminuição do número de refluxos gastroesofágicos, e uma diminuição da frequência semanal da pirose em paciente com DRNE.

REFERÊNCIAS

  1. Morozov S, Isakov V, Konovalova M.

    Fiber-enriched diet helps to control symptoms and improves esophageal motility in patients with non-erosive gastroesophageal reflux disease.

    World J Gastroenterol. 2018 Jun 7;24(21):2291-2299.