Estudos anteriores já relataram diversos fatores de riscos comuns para a esofagite de refluxo (ER) e doença do refluxo gastroesofágico sintomática (DRGE), como idade, obesidade, hérnia de hiato, consumo de álcool e tabagismo. Os fatores relacionados ao gênero também podem desempenhar um papel importante no desenvolvimento da ER e DRGE sintomática.

Nesse sentido, pesquisadores avaliaram a prevalência e os fatores de risco para ER e DRGE sintomática, observando se existem diferenças específicas para cada gênero.

O estudo, que foi publicado no periódico científico Journal of Korean Medical Science, foi realizado em uma coorte composta por 10.158 participantes que passaram por uma triagem abrangente de saúde. Os pesquisadores avaliaram os estilos de vida e sintomas gastrointestinais utilizando um questionário estruturado autorrelatado. As mulheres também responderam um questionário sobre o estado menstrual.

A prevalência de ER em homens foi significativamente maior do que em mulheres (10,6% vs. 2,0%). No entanto, a DRGE sintomática mostrou um predomínio nas mulheres (6,2% vs. 2,5). Embora a prevalência de ER tenha aumentado gradualmente com a duração da menopausa estratificada por década, a DRGE sintomática aumentou rapidamente no decorrer da menopausa. Além dos fatores de risco comuns, como obesidade e tabagismo atual para a ER, as mulheres maiores de 70 anos de idade e a presença de hérnia de hiato e hipertrigliceridemia em homens também foram fatores de risco significativos. Na DRGE sintomática, a alta somatização foi um fator de risco comum em ambos os sexos, e a ingestão excessiva de álcool foi um fator de risco significativo em homens, mas não em mulheres.
Os autores do estudo concluíram que existe um predomínio de ER em homens, mas uma predominância de DRGE sintomática em mulheres. Nas mulheres, o aumento da prevalência de DRGE está intimamente relacionada à menopausa e sua duração. Na opinião dos pesquisadores, existem fatores de risco específicos para ER e DRGE sintomática, de acordo com as diferenças de cada gênero.
 
Acesso em 31 Jul 2019. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6543060/pdf/jkms-34-e158.pdf

Existe um predomínio de ER em homens, mas uma predominância de DRGE sintomática em mulheres.

REFERÊNCIAS

  1. Kim SY, Jung HK, Lim J, Kim TO, Choe AR, Tae CH, et al.

    Gender Specific Differences in Prevalence and Risk Factors for Gastro-Esophageal Reflux Disease.

    J Korean Med Sci. 2019 Jun 2;34(21):e158.