Estudos anteriores revelaram a propriedade de redução da pressão arterial do ácido docosahexaenóico (DHA) em crianças e adultos, assim como de uma pressão arterial infantil mais baixa na exposição intrauterina ao DHA. No entanto, a associação de ingestão pré-natal de suplementos de DHA com a pressão arterial infantil ainda não foi avaliada em ensaios clínicos randomizados.

Desta forma, pesquisadores buscaram determinar o efeito da suplementação de DHA durante a gravidez na pressão arterial infantil.

O estudo, publicado no periódico científico JAMA Network Open, foi um ensaio clínico de fase 3, duplo-cego, randomizado, controlado por placebo, que foi conduzido em vários hospitais. Participaram 350 mulheres grávidas, que foram acompanhadas até os 18 meses de idade de seus bebês. Durante a gravidez, as mulheres receberam 3 cápsulas por dia de placebo ou 600 mg de DHA por dia, a partir de um tempo de gestação médio 14,5 semanas, mas todas antes de 20 semanas, até o nascimento. Os pais de 190 crianças aceitaram o acompanhamento adicional de seus filhos até os 6 anos. A pressão arterial sistólica (PAS) e pressão arterial diastólica (PAD) foram medidas semestralmente entre os 4 e 6 anos de idade das crianças, e foram analisadas para possíveis covariáveis.

No total, 171 crianças foram incluídas nesta análise. Destas crianças, 89 foram randomizados para o grupo DHA e 82 para o grupo placebo. Os resultados mostraram uma interação estatisticamente significativa entre o tratamento, com o uso de placebo ou DHA, e o peso da criança (IMC de 5 anos ≤ percentil 85º ou > percentil 85º) para a PAS e PAD. As crianças que estavam acima do peso ou eram obesas e cujas mães receberam placebo durante a gravidez tiveram PAS e PAD mais altas em comparação com crianças que estavam acima do peso ou eram obesas e cujas mães receberam DHA. Não foi encontrada nenhuma diferença na PAS e PAD entre as crianças que estavam com sobrepeso ou eram obesas cujas mães receberam DHA e as crianças que não estavam acima do peso ou obesas. Na análise do modelo misto, a idade da criança na medição da pressão arterial e o IMC materno pré-gestacional foram as únicas outras variáveis estatisticamente significativas.

A ingestão de ácido docosahexaenóico materno durante a gravidez pareceu atenuar a associação entre a condição de excesso de peso na infância ou obesidade e pressão arterial.
Os autores do estudo concluíram que as crianças de mulheres randomizadas para a suplementação com DHA, quando comparadas com aquelas randomizadas para receber placebo, durante a gravidez, pareceram estar protegidas contra o aumento da PAS e PAD associadas com o sobrepeso e obesidade na infância.

Acesso em 14 Ago 2019
. Disponível em: https://jamanetwork.com/journals/jamanetworkopen/fullarticle/2725492

REFERÊNCIAS

  1. Kerling EH, Hilton JM, Thodosoff JM, Wick J, Colombo J, Carlson SE.

    Effect of Prenatal Docosahexaenoic Acid Supplementation on Blood Pressure in Children With Overweight Condition or Obesity: A Secondary Analysis of a Randomized Clinical Trial.

    JAMA Netw Open. 2019 Feb 1;2(2):e190088.