As disfunções da tireoide são comuns na gravidez, afetando 2% a 3% das gestantes. O hipotireoidismo é a forma mais comum, sendo o hipotireoidismo subclínico (HSC) mais prevalente do que a doença manifesta (hipotireoidismo clínico [HTC]). Há aumento de desfechos desfavoráveis na gestação, tendo-se observado maior risco de descolamento prematuro de placenta, parto prematuro, sofrimento fetal e pré-eclâmpsia.

HTC está relacionado à maior risco de abortamento, no entanto a associação do abortamento com HSC ainda é controversa. Vários estudos populacionais apresentaram resultados discordantes quanto a essa questão, tanto com efeito nulo como risco proporcional à elevação do hormônio estimulante da tireoide (TSH). Para esclarecer essa dúvida, foi realizado o presente estudo com metanálise dos dados dos estudos relevantes sobre HSC e taxa de abortamento.

A busca incluiu artigos das bases PubMed, Web of Science, Embase e Cochrane publicados entre 1o de janeiro de 1980 e 31 de dezembro de 2015. Foram selecionados nove artigos, em que foram analisadas as seguintes associações com abortamento: HSC não tratado; HSC isolado; HSC tratado; HSC com ou sem tratamento; HSC com ou sem autoimunidade antitireoidiana (anticorpos antitireoidianos). O tratamento estatístico incluiu avaliação do grau de heterogeneidade entre os estudos, análise de sensibilidade e de viés de publicação.

Os resultados obtidos mostraram que, em comparação com gestantes eutireoideas, pacientes com HSC não tratado tiveram maior prevalência de abortamento (RR = 1,90; IC95%: 1,59-2,27; p < 0,01), bem como aquelas com HSC isolado. Pacientes com HSC e autoimunidade antitireoidiana tiveram risco de abortamento maior do que aquelas sem essa condição (RR = 2,47; IC95%: 1,77-3,45; p < 0,01). Por outro lado, mulheres com HSC tratado não tiveram mais risco de abortamento do que as eutireoideas (RR = 1,14; IC95%: 0,82-1,58; p = 0,43). Finalmente, os testes estatísticos não mostraram heterogeneidade nem viés de publicação significativos e a análise de sensibilidade mostrou alta estabilidade do estudo.

A metanálise mostrou que o HSC é um fator de risco de abortamento (antes de 20 semanas de gravidez), maior ainda em gestantes com anticorpos antitireoide, e que o tratamento precoce pode reduzir sua taxa.
Dra. Patrícia de Rossi
Mestre em Ginecologia e Obstetrícia pela Faculdade de Medicina da
Universidade de São Paulo (FMUSP) Preceptora da Residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia no Conjunto Hospitalar do Mandaqui (São Paulo/SP) - CRM/SP 79.066/SP | RQE 51.165

Código Zinc:  SABR.SA.19.07.1317a

REFERÊNCIAS

  1. Zhang Y, Wang H, Pan X, Teng W, Shan Z.

    Patients with subclinical hypothyroidism before 20 weeks of pregnancy have a higher risk of miscarriage: a systematic review and meta-analysis.

    PLoS One. 2017;12(4):e0175708.