Um estudo, publicado no periódico científico Biology of Sex Differences, investigou as diferenças sexuais nos resultados pós artroplastia (ATJ) em grupos de 50 homens e 50 mulheres pareados por idade em dois centros médicos acadêmicos. A dor e a função física foram avaliadas nos participantes do estudo desde o período perioperatório até 6 meses após a cirurgia. Os pesquisadores avaliaram a associação entre os sintomas afetivos negativos pré-operatórios, medidos por escores de ansiedade e depressão, com a dor e a capacidade funcional pós-operatória, com atenção específica às diferenças entre os sexos.

A osteoartrite de joelho (OAJ) é uma das condições de dor persistente mais comuns e incapacitantes que apresenta uma prevalência mundial crescente, e afeta as mulheres em maior grau do que os homens. O crescimento da incidência de OAJ foi acompanhado por um aumento simultâneo das taxas de artroplastia total do joelho (ATJ), uma opção de tratamento cirúrgico para os estágios avançados de OAJ. Embora os desfechos da ATJ sejam geralmente bons, as trajetórias pós-operatórias com relação à dor variam amplamente, desde pacientes que relatam ausência completa de dor até uma minoria que acusa uma piora dos sintomas. Fatores biopsicossociais, como a ansiedade e depressão, podem afetar de maneira importante a relação com a dor articular, sendo que as mulheres relatam um maior grau de sintomas afetivos negativos.

No geral, as mulheres relataram mais disfunções físicas relacionadas à dor, embora não apresentassem altos escores de dor, antes da ATJ. Elas também apresentaram maiores escores de dor aguda pós-operatória durante as duas primeiras semanas após a cirurgia, do que suas contrapartes masculinas. Às 6 semanas após a ATJ, as diferenças entre os gêneros na dor relatada não foram mais evidentes. Embora as mulheres tenham relatado níveis mais altos de estresse emocional no pré-operatório do que os homens, os escores de ansiedade e depressão pré-operatória foram melhores preditores de dor pós-operatória grave entre homens do que entre mulheres.
Esses relacionamentos, na opinião dos autores do estudo, podem ter implicações para a realização da ATJ, particularmente em homens com sintomas afetivos negativos inicialmente altos. Como a dor pós-cirúrgica aguda severa tem sido consistentemente identificada como um fator de risco crítico para desfechos de longo prazo, especialmente a dor crônica, é importante identificar as variáveis de risco que interferem com o nível de dor nos dias e semanas após a cirurgia.
 
Acesso em 17 Jun 2019. Disponível em: https://bsd.biomedcentral.com/articles/10.1186/s13293-019-0237-7

Esses relacionamentos podem ter implicações para a realização da ATJ, particularmente em homens com sintomas afetivos negativos inicialmente altos.

REFERÊNCIAS

  1. Nandi M, Schreiber KL, Martel MO, Cornelius M, Campbell CM, Haythornthwaite JA, et al.

    Sex differences in negative affect and postoperative pain in patients undergoing total knee arthroplasty.

    Biol Sex Differ. 2019 May 6;10(1):23.