O estudo, que foi publicado no periódico científico Internal Medicine, incluiu indivíduos submetidos a esofagogastroduodenoscopia durante um exame médico, e comparou os achados endoscópicos entre indivíduos com dispepsia funcional e controles saudáveis.

A dispepsia funcional (DF) possui uma fisiopatologia multifatorial que inclui motilidade gastrointestinal anormal (GI), hipersensibilidade visceral, fatores psicossociais e distúrbios do sistema nervoso autônomo e central. Em um subconjunto de pacientes, a infecção por Helicobacter pylori (H. pylori) está parcialmente envolvida na fisiopatologia da DF. Diretrizes internacionais, baseadas em metanálises, recomendam a terapia de erradicação do H. pylori para pacientes com DF quando estes apresentam resultados positivos para a infecção por essa bactéria.

A Classificação de Gastrite de Kyoto (CGK) visa padronizar os achados endoscópicos com base na avaliação do status de H. pylori. Essa classificação divide os pacientes em três grupos: gastrite ativa (infecção atual por H. pylori), gastrite inativa (infecção prévia por H. pylori) e sem gastrite (status negativo para H. pylori).

A associação entre a DF e os achados endoscópicos ainda não está totalmente elucidada. Portanto, pesquisadores investigaram os achados endoscópicos associados à DF de acordo com a CKG. O estudo, que foi publicado no periódico científico Internal Medicine, incluiu indivíduos submetidos a esofagogastroduodenoscopia durante um exame médico, e comparou os achados endoscópicos entre indivíduos com DF e controles saudáveis (CS) de acordo com a CKG.

Os investigadores analisaram 456 indivíduos e chegaram a uma taxa de detecção de DF de 5,5% (25/456 pessoas). Mediante a análise univariada dos achados endoscópicos, uma proporção significativamente menor de indivíduos com DF apresentou enantema em estrias ou faixas, em comparação aos CS (0% vs. 18,6%, respectivamente). Os indivíduos com DF também tiveram uma maior probabilidade de apresentar erosão gástrica (20,0% vs. 7,9%). Uma proporção maior de indivíduos positivos para erosão apresentou DF em comparação com indivíduos negativos para erosão (12,8% vs. 4,8%). Não foram encontradas diferenças significativas nos outros achados endoscópicos. A análise multivariada também revelou que a erosão gástrica estava significativamente e independentemente associada à DF. Por outro lado, o enantema em estrias não se associou à DF.

As erosões gástricas podem estar associadas à dispepsia. Na opinião dos autores esses achados podem fornecer novas informações sobre o manejo clínico da dispepsia funcional.

Os autores do estudo concluíram que as erosões gástricas podem estar associadas à dispepsia. Na opinião dos autores esses achados podem fornecer novas informações sobre o manejo clínico da dispepsia funcional.

Acesso em 30 Set 2019. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6395123/pdf/1349-7235-58-0321.pdf

REFERÊNCIAS

  1. Tanaka F, Tominaga K, Fujikawa Y, Morisaki T, Otani K, Hosomi S, et al.

    Association between Functional Dyspepsia and Gastric Depressive Erosions in Japanese Subjects.

    Intern Med. 2019 Feb 1;58(3):321- 328.