Pesquisadores buscaram sintetizar quantitativamente as evidências observacionais prospectivas disponíveis sobre a associação entre padrões alimentares baseados em vegetais e o risco de diabetes tipo 2.

Os padrões alimentares baseados em vegetais, que enfatizam a ingestão de alimentos como frutas, verduras, grãos integrais, legumes e nozes, e tem um menor consumo ou exclusão de produtos de origem animal, ganharam atenção significativa devido ao potencial de prevenir ou gerenciar diversas doenças crônicas importantes, incluindo diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares e câncer. Os mecanismos sugeridos para essa associação protetora incluem maiores consumos de alimentos vegetais ricos em vitaminas, minerais e antioxidantes e um menor consumo de carnes vermelhas e processadas. Esses padrões alimentares podem excluir certos produtos de origem animal que são potencialmente benéficos para a prevenção de doenças cardiometabólicas, como iogurtes e peixes. Por outro lado, os grãos refinados, amidos e açúcares, caracterizados como vegetais, são associados de forma independente a um maior risco de diabetes tipo 2. Desta forma, ainda não está totalmente claro o efeito geral das dietas à base de vegetais sobre a incidência de diabetes tipo 2.

Frente a esse contexto, pesquisadores buscaram sintetizar quantitativamente as evidências observacionais prospectivas disponíveis sobre a associação entre padrões alimentares baseados em vegetais e o risco de diabetes tipo 2 por meio de uma revisão sistemática e meta-análise de estudos disponíveis.

Para a análise, que foi publicado no periódico científico JAMA Internal Medicine, os investigadores realizaram uma pesquisa sistemática nas bases de dados PubMed e MEDLINE, Embase, Web of Science por estudos observacionais prospectivos que examinaram a associação entre a adesão a padrões alimentares baseados em vegetais e a incidência de diabetes tipo 2 em indivíduos adultos.

A busca resultou em um total de 9 estudos, que totalizaram 307.099 participantes e 23.544 casos de diabetes tipo 2 incidente. Os pesquisadores observaram uma associação inversa significativa entre os indivíduos que tiveram uma maior adesão ao padrão alimentar baseado em vegetais e o risco de desenvolver diabetes tipo 2, quando foram comparados com os participantes que tiveram uma pior adesão a esse tipo de dieta. Essa associação se mostrou mais fortalecida quando alimentos como frutas, verduras, grãos integrais, legumes e nozes, foram incluídos na definição de padrões de alimentação baseada em vegetais. A maioria dos estudos analisados foi considerada de boa qualidade com relação à avaliação alimentar, resultados para o diabetes tipo 2 e ajustes para fatores de confusão.

Os padrões alimentares baseados em vegetais foram associados com um menor risco de diabetes tipo 2, mesmo após os ajustes para o índice de massa corporal.

Os autores da meta-análise concluíram que os padrões alimentares baseados em vegetais foram associados com um menor risco de diabetes tipo 2, mesmo após os ajustes para o índice de massa corporal (IMC). Segundo os autores, o estudo fornece evidências de apoio importantes que sugerem um possível papel protetor dos padrões alimentares baseados em vegetais contra o desenvolvimento e a prevenção primária do diabetes tipo 2.

Acesso em 24 Set 2019. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/31329220

REFERÊNCIAS

  1. Qian F, Liu G, Hu FB, Bhupathiraju SN, Sun Q.

    Association Between Plant-Based Dietary Patterns and Risk of Type 2 Diabetes: A Systematic Review and Meta-analysis.

    JAMA Intern Med. 2019 Jul 22.