Para o estudo, que foi publicado no periódico científico JAMA Network Open, os investigadores analisaram os dados de 1.801 pacientes com doença cardiovascular encaminhados para uma consulta inicial de cuidados paliativos.

Os cuidados paliativos (CP) são um tipo de atendimento especializado, interdisciplinar, focado na melhoria ou manutenção da qualidade de vida de pacientes com doenças graves e de suas famílias. Seu papel é complementar o trabalho dos clínicos de cuidados primários e especializados, para que possam continuar as intervenções que prolongam a vida, enquanto que os CP desempenham um papel de apoio.

Apesar de diretrizes de importantes entidades recomendarem a incorporação precoce dos CP nos cuidados cardiovasculares de rotina, eles permanecem subutilizados entre pacientes com doença cardiovascular (DCV), particularmente entre pacientes com insuficiência cardíaca (IC). Nesse sentido, pesquisadores realizaram uma análise para avaliar as características e tendências de pacientes com DCV encaminhados para CP.

Para o estudo, que foi publicado no periódico científico JAMA Network Open, os investigadores analisaram os dados de 1.801 pacientes com DCV encaminhados para uma consulta inicial de CP. O desfecho primário foi a pontuação de desempenho paliativo (PDP). Os desfechos secundários incluíram a pontuação no instrumento Edmonton Symptom Assessment Scale e o status do paciente no fim de vida.

Os resultados mostraram uma baixa pontuação de PDP, consistente com o status de leito, em 521 pacientes (28,9%), sem alterações ao longo do tempo. Os sintomas moderados a graves mais comuns foram: baixo bem-estar, cansaço, anorexia e dispneia. As principais mudanças ao longo do tempo observadas foram em relação à dor e constipação. Embora a proporção de encaminhamentos de clínica geral tenha aumentado de 43,2% em 2015 para 52,9% em 2017, a proporção de encaminhamentos de cardiologistas diminuiu de 16,5% em 2015 para 10,5% em
2017. Enquanto 69,5% de todos os pacientes com DCV tiveram um diagnóstico primário de insuficiência cardíaca, a proporção de diagnósticos de DCV sem insuficiência cardíaca, como doença arterial coronariana e valvopatias, aumentou de 25,6% em 2015 para 30,1% em 2017.

Os pacientes com doença cardiovascular apresentaram uma carga significativa de sintomas, e não houve evidências de alteração na pontuação de desempenho paliativo entre os pacientes com doença cardiovascular encaminhados para cuidados paliativos ao longo do tempo.

Os autores do estudo concluíram que os pacientes com DCV apresentaram uma carga significativa de sintomas, e não houve evidências de alteração na PDP entre os pacientes com DCV encaminhados para CP ao longo do tempo. Os cardiologistas realizaram, comparativamente, menos encaminhamentos para CP de pacientes com DCV, e essa proporção diminuiu com o tempo. Esses achados, na opinião dos autores, reforçam a necessidade dos cardiologistas se envolverem mais com os CP e que devem considerar o encaminhamento de pacientes com DCV mais precocemente.

Acesso em 06 Set 2019. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6503632/

REFERÊNCIAS

  1. Warraich HJ, Wolf SP, Mentz RJ, Rogers JG, Samsa G, Kamal AH.

    Characteristics and Trends Among Patients With Cardiovascular Disease Referred to Palliative Care.

    JAMA Netw Open. 2019 May 3;2(5):e192375.