A literatura apresenta dados de diversas investigações que relacionam os mais variados aspectos do estilo de vida com resultados no tratamento da doença do refluxo gastroesofágico (DRGE). Nesse sentido, se sugere que modificações do estilo de vida teriam papel importante no tratamento. No presente estudo, publicado no Turkish Journal of Gastroenterology, os autores apresentam e discutem diversos aspectos do cotidiano e estilo de vida, que, em maior ou menor grau poderiam afetar o tratamento para DRGE, dentre os quais, destacam-se a dieta, variações posturais, tabagismo, obesidade e atividade física.

No que diz respeito à dieta, os autores destacam que existe uma ideia geral de que vários alimentos causariam ou poderiam aumentar os sintomas relacionados à DRGE, apesar de não haver consenso sobre esses efeitos, que por vezes, são de caráter individual. Condimentos como sal e produtos salgados em geral, chocolate, alimentos gordurosos e refrigerantes apresentam níveis de evidência razoável para associações com sintomas da DRGE. Embora haja necessidade de estudos em larga escala, os autores recomendam que o consumo regular de fibras, a mastigação mais lenta e a ingestão de pequenos volumes podem ajudar na melhora dos sintomas.

A posição que o paciente adota para dormir também parece ter efeitos importantes sobre os sintomas da DRGE, haja vista a incidência elevada de sintomas no período noturno e quando os pacientes adotam a posição de decúbito dorsal ou lateral direito para dormir. Nesse sentido, os autores sugerem elevar um pouco a posição da cabeça e adotar a postura lateral esquerda quando deitado na cama.

Outro comportamento investigado em estudos clínicos de larga escala, e que pode contribuir com o aumento de sintomas da DRGE, é o tabagismo, apesar dos mecanismos subjacentes ainda não estarem completamente esclarecidos. Além do tabagismo, a obesidade (especialmente a abdominal) também desencadeia sintomas da DRGE. Por outro lado, a redução do peso corporal resulta na melhora dos sintomas relacionados.

Por fim, os autores discorrem sobre os efeitos da atividade física. Estudos indicam que o exercício físico leve e realizado regularmente pode ajudar na redução dos sintomas de refluxo. Contudo, parece haver um efeito inverso quando a atividade física é exacerbada, ou seja, os exercícios físicos muito intensos podem ser um fator de risco para DRGE.


Acesso em 14 Ago 2019. Disponível em: https://www.turkjgastroenterol.org/en/the-role-of-lifestyle-changes-in-gastroesophageal-reflux-diseases-treatment-135188

Estudos indicam que o exercício físico leve e realizado regularmente pode ajudar na redução dos sintomas de refluxo. Contudo, parece haver um efeito inverso quando a atividade física é exacerbada.

REFERÊNCIAS

  1. Dağlı Ü, Kalkan İH.

    The role of lifestyle changes in gastroesophageal reflux diseases treatment.

    Turk J Gastroenterol. 2017 Dec;28(Suppl 1):S33-S37.