No artigo comentado é ressaltada a alta prevalência de doenças esofágicas nos Estados Unidos, especialmente da doença do refluxo gastroesofágico e, também, o desenvolvimento de um balão acoplado a um cateter capaz de avaliar os valores de impedância da mucosa em esôfago distal.

Os autores ressaltam a alta prevalência de doenças esofágicas nos Estados Unidos, especialmente da doença do refluxo gastroesofágico (DRGE). Os testes disponíveis para diagnosticar essas patologias incluem endoscopia digestiva alta (EDA), manometria, pH e impedanciometria esofágicas de 24 horas, além de biópsias de esôfago, especialmente para o diagnóstico de esofagite eosinofílica (EEo).

Entretanto, tais métodos apresentam várias limitações, como a medição da acidez do material refluído em um único ponto e falha de posicionamento durante a medição, com necessidade de exames repetidos, avaliam o refluxo por somente até 48 horas, o que pode não ser fidedigno à realidade, diminuindo sua acurácia para o diagnóstico, além de serem testes não muito agradáveis, limitando seu uso em vários pacientes.

Em relação à EEo, há dependência direta de biópsias esofágicas para seu diagnóstico e acompanhamento, encarecendo sobremaneira sua condução. A medicação direta da impedância da mucosa esofágica tem o potencial de limitar a necessidade de EDA com biópsias na EEo e de testes prolongados de avaliação do pH nos casos de DRGE. Os autores desenvolveram um balão acoplado a um cateter, com sensores de impedância a seu redor, que, uma vez insuflado no esôfago distal, durante o exame endoscópico, permite avaliar os valores de impedância da mucosa em esôfago distal (Figura 1). Para avaliá-lo, foram estudados três grupos de pacientes (DRGE, EEo, controles sadios).

Pôde-se observar nítida diferença dos valores obtidos, sendo a impedância mais reduzida na DRGE,  seguida de EEo. Em pacientes saudáveis, os valores foram bem superiores. Foi desenvolvido um método para avaliar o diagnóstico e a resposta ao tratamento de DRGE e EOs, que pode ser utilizado durante exames endoscópicos de rotina, reduzindo a necessidade de estudos prolongados de avaliação de pH e de biópsias.

Foi desenvolvido um método para avaliar o diagnóstico e a resposta ao tratamento de DRGE e EOs, que pode ser utilizado durante exames endoscópicos de rotina, reduzindo a necessidade de estudos prolongados de avaliação de pH e de biópsias

Dr. Ricardo Barbuti

Acesso em 30 Set 2019. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30711626

REFERÊNCIAS

  1. Patel DA, Higginbotham T, Slaughter JC, Aslam M, Yuksel E, Katzka D.

    Development and validation of a mucosal impedance contour analysis system to distinguish esophageal disorders.

    Gastroenterology. 2019;156(6):1617-26.