Segundo os autores, que tiveram seu artigo publicado no periódico científico Northern Clinics of İstanbul, a urticária é uma doença caracterizada por placas eritematosas, edematosas, pruriginosas e transitórias que cobrem a pele e as mucosas.

Pesquisadores do departamento de dermatologia da Istanbul Medeniyet University publicaram um artigo com foco no diagnóstico e tratamento da urticária na atenção primária.

Segundo os autores, que tiveram seu artigo publicado no periódico científico Northern Clinics of İstanbul, a urticária é uma doença caracterizada por placas eritematosas, edematosas, pruriginosas e transitórias que cobrem a pele e as mucosas. É uma patologia bastante comum, onde entre 8,8 e 20% dos indivíduos são acometidos pela urticária pelo menos uma vez na vida, sem apresentar diferenças entre idades e sexos, mas é um pouco mais comum em adultos jovens.

Sua classificação se divide urticária aguda, quando tem uma duração inferior a 6 semanas; urticária crônica, quando se repete pelo menos duas vezes por semana durante mais de 6 semanas, podendo ser espontânea ou induzida; e urticária crônica episódica, quando se repete menos de duas vezes por semana durante mais de 6 semanas.

Entre os principais fatores responsáveis por sua etiologia podemos destacar os medicamentos, alimentos, alérgenos respiratórios (pólen, animais), infecções, alérgenos de contato, picadas de insetos, psicogênicos, doenças sistémicas, fatores físicos externos (calor, frio), hereditariedade e idiopáticos.

O diagnóstico é relativamente simples, com base na aparência clínica e na anamnese. Entretanto, a urticária pode ser confundida com erupções, doenças do tecido conjuntivo, doenças fotossensíveis, urticária pigmentosa, vasculite urticariforme e várias doenças sindrômicas. Na anamnese o paciente deveser questionado sobre o tempo de início, desenvolvimento, localização das lesões, queixas sistêmicas, ingestão de alimentos, estresse e uso regular ou ocasional de medicamentos.

O tratamento deve ser concentrado na eliminação das causas etiológicas detectáveis e na prevenção de fatores desencadeantes, especialmente para os pacientes com urticária crônica. O foco principal deveestar no alívio imediato do prurido e angioedema, se houver. O angioedema pode acompanhar a urticária e, raramente, pode ser fatal.

Embora muitos fatores etiológicos, como infecções, drogas e alimentos, sejam responsabilizados pela sua etiologia, a urticária geralmente é idiopática.

Em resumo, os autores do artigo explicam que, embora muitos fatores etiológicos, como infecções, drogas e alimentos, sejam responsabilizados pela sua etiologia, a urticária geralmente é idiopática. Para o tratamento dos pacientes, se houver um fator etiológico desencadeante detectável, deve ser evitado e o paciente deve ser avisado da possível existência de urticária física. Os anti-histamínicos comumente são utilizados no primeiro passo do tratamento, mas uma grande variedade de agentes tem sido utilizada para seu tratamento. Na opinião dos autores, a urticária ainda é uma doença desafiadora para o paciente e o médico.

Acesso em 30 Set 2019. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6526977/pdf/NCI-6-93.pdf

REFERÊNCIAS

  1. Kayiran MA, Akdeniz N.

    Diagnosis and treatment of urticaria in primary care.

    North Clin Istanb. 2019 Feb 14;6(1):93-99.