Para o estudo, que foi publicado no periódico científico Allergy, Asthma & Clinical Immunology, foram recrutados 1.750 participantes com alergia ao ácaro da poeira doméstica que estavam iniciando a ITS.

As doenças alérgicas, como a rinite alérgica (RA) afetam o sono, podendo levar ao cansaço e outros déficits na qualidade de vida destes pacientes. Os ácaros da poeira doméstica (APD) são a principal causa de alergias respiratórias, sendo muito prevalentes e difíceis de evitar nos quartos de dormir. Adicionalmente, devido a sua característica perene, a alergia aos APD tem um efeito mais pronunciado no sono dos pacientes do que em outros tipos de alergias. Apesar desses fatores, ainda existe uma insuficiência de dados descritivos sobre a natureza exata e frequência dos distúrbios do sono nesses pacientes.

Nesse contexto, pesquisadores realizaram um estudo com o objetivo de caracterizar melhor os distúrbios do sono em indivíduos com alergia respiratória aos APD.

Para o estudo, que foi publicado no periódico científico Allergy, Asthma & Clinical Immunology, foram recrutados 1.750 participantes com alergia ao APD que estavam iniciando a imunoterapia sublingual. Os distúrbios do sono foram avaliados pelos questionários autoaplicáveis Escala de Sonolência de Epworth (ESS), Índice de Gravidade da Insônia (ISI) e uma versão modificada do questionário de distúrbios do sono do Hotel Dieu-42 (HD-42). Os investigadores utilizaram modelos de regressão logística ajustados para obesidade, tabagismo, controle da asma e obstrução nasal para estudar a relação entre a classificação da rinite alérgica (RA) e os distúrbios do sono.

Entre os participantes, 907 eram adultos e 843 eram crianças maiores de 5 anos. A maioria dos participantes (73,5% dos adultos e 65,8% das crianças) relataram que os distúrbios do sono os levaram a consultar seu médico. As queixas de sono mais comumente observadas foram sono de má qualidade (50,3% dos adultos e 37,3% das crianças), ronco (48,1 e 41,4%, respectivamente) e despertar noturno (37,6 e 28,2%, respectivamente). A dificuldade para adormecer foi relatada por 27,0% dos adultos e 24,7% das crianças. Os adultos e crianças que apresentavam RA persistente grave tinham queixas de sono significativamente mais frequentemente do que os participantes com RA persistente intermitente ou leve.

Existe uma alta frequência de distúrbios do sono em pacientes com rinite alérgica induzida por ácaros da poeira doméstica.

Os autores do estudo concluíram que existe uma alta frequência de distúrbios do sono em pacientes com RA induzida por APD. Particularmente, os pacientes com a RA persistente e grave apresentam uma maior probabilidade de ter dificuldade em adormecer, despertar noturno, insônia clínica e sono de baixa qualidade do que aqueles com outros tipos de RA. Consequentemente, segundo os autores, os pacientes devem ser investigados sobre sua qualidade do sono durante as consultas de alergias respiratórias, especialmente quando apresentam RA persistente e grave.

Acesso em 30 Set 2019. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5558653/pdf/13223_2017_Article_208.pdf

REFERÊNCIAS

  1. Leger D, Bonnefoy B, Pigearias B, de La Giclais B, Chartier A.

    Poor sleep is highly associated with house dust mite allergic rhinitis in adults and children.

    Allergy Asthma Clin Immunol. 2017 Aug 16;13:36.