A ocorrência de náusea e/ou vômito durante a gravidez (NVG) pode variar bastante entre as mulheres. Os efeitos que as dietas exercem na incidência de NVG ainda não foram bem estudados.

Nesse sentido, pesquisadores administraram um questionário de frequência alimentar para avaliar a dieta antes da gravidez e às 11 e 34 semanas de gestação em 2.270 mulheres. A incidência de NVG no início da gravidez foi classificada em: nenhuma, leve, moderada ou grave. As participantes do estudo relataram se a ingestão de alimentos aumentou, permaneceu igual ou diminuiu em comparação ao período anterior à gravidez. Os autores do estudo, publicado no periódico científico Maternal & Child Nutrition, utilizaram uma metodologia baseada em escores, com base no tipo de alimentos consumidos, para avaliar a qualidade da dieta das participantes antes, no início e no final da gestação.

No início da gravidez, 89% das mulheres apresentaram náuseas, entretanto foi mais comum a NVG de forma leve (48%) ou moderada (30%), sendo que apenas 11% apresentaram NVG grave. Um total de 39% das mulheres relatou um aumento na ingestão de alimentos no início da gravidez, e 34% relataram uma redução. O aumento da gravidade das náuseas foi associado a alterações nos padrões de ingestão de uma variedade de alimentos, mas esteve principalmente associado ao consumo reduzido de vegetais, chá/café, arroz/massa, cereais matinais, feijão/leguminosas e frutas cítricas e seus sucos, assim como com o aumento no consumo de pão branco e refrigerantes. O aumento da gravidade da náusea também foi associado à diminuição no escore de qualidade da dieta no início da gravidez em relação ao período anterior à gravidez, de tal forma que as mulheres com náusea severa tiveram escores de qualidade de dieta menores do que aquelas sem náuseas. No entanto, isso foi transitório, já que a NVG não foi relacionada às mudanças na qualidade da dieta quando foram comparados os períodos de antes até o final da gravidez.
Na opinião dos autores do estudo, embora a maioria das mulheres apresente NVG no início da gravidez, parece haver uma variabilidade significativa nas respostas à NVG. Uma compreensão mais detalhada das razões para as mudanças nas escolhas alimentares pode ser benéfica para o planejamento de iniciativas futuras para o aconselhamento de mulheres grávidas, particularmente aquelas que são mais severamente afetadas.

 
Acesso em 31 Jul 2019. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5400073/

Embora a maioria das mulheres apresente NVG no início da gravidez, parece haver uma variabilidade significativa nas respostas à NVG.

REFERÊNCIAS

  1. Crozier SR, Inskip HM, Godfrey KM, Cooper C, Robinson SM; SWS Study Group.

    Nausea and vomiting in early pregnancy: Effects on food intake and diet quality.

    Matern Child Nutr. 2017 Oct;13(4).