Os investigadores, que tiveram sua análise publicada no periódico The Lancet Global Health, realizaram uma triagem para a diarreia em crianças de 0 a 59 meses que procuraram atendimento médico.

As doenças diarreicas são a principal causa de doença e morte entre crianças menores de 5 anos em países de baixa e média renda. O estudo Global Enteric Multicenter Study (GEMS) analisou a incidência, etiologia e sequelas de diarreia moderada a grave (DMG) e diarreia menos grave (DmG) em crianças com idade entre 0 e 59 meses. Nesse contexto, pesquisadores realizaram um estudo de caso-controle de um ano de duração, multicêntrico, estratificado por idade e pareado, seguindo o estudo GEMS. Os investigadores, que tiveram sua análise publicada no periódico The Lancet Global Health, realizaram uma triagem para a diarreia em crianças de 0 a 59 meses que procuraram atendimento médico. As crianças que apresentaram episódios de diarreia novos (início após ≥7 dias sem diarreia) e agudos (início nos 7 dias anteriores) e que satisfaziam pelo menos um dos critérios de inclusão (retração dos globos oculares, diminuição do turgor cutâneo, hidratação intravenosa, disenteria ou hospitalização), foram classificadas com DMG. Os demais episódios de diarreia novos e agudos foram considerados de DmG. Os participantes foram subdivididos em três estratos etários: lactentes (0 a 11 meses), bebês (de 12 a 23 meses) e crianças pequenas (24 a 23 meses). -59 meses). Para cada caso incluído de DMG ou DmG, foram incluídas entre uma e três crianças controle, que não apresentaram diarreia nos 7 dias anteriores. Os pesquisadores coletaram dados clínicos e epidemiológicos, medidas antropométricas e amostras fecais de todos os participantes e realizaram uma visita domiciliar de acompanhamento cerca de 60 dias depois para verificar o status vital, resultados clínicos e intervalo de crescimento. Os desfechos primários foram caracterizar o risco e a incidência da DMG e DmG e avaliar as consequências clínicas adversas associadas a essas duas apresentações.

Os pesquisadores recrutaram 2.368 crianças com DMG, 3.174 com DmG e crianças controles (DMG = 3.597 e DmG = 4.236). A maioria dos casos atribuíveis de DMG e DmG foram devidos a rotavírus, Cryptosporidium spp, Escherichia coli enterotoxigênica produtora de toxina estável ao calor e Shigella spp. A incidência atribuível por 100 crianças-ano para DMG em comparação com DmG, respectivamente, foram: para o rotavírus, 22,3 contra 5,5 (0-11 meses) , 9,8 contra 2,9 (12-23 meses) e 0,5 contra 0,2 (24-59 meses); para Cryptosporidium spp, 3,6 contra 2,3 (0-
11 meses), 4,3 contra 0,6 (12 a 23 meses) e 0,3 contra 0,1 (24 a 59 meses); para E. coli enterotoxigênica, 4,2 versus 0,1 (0 a 11 meses), 5,2 contra 0 (12-23 meses) e 1,1 contra 0 (24-59 meses); e para Shigella spp, 1,0 contra 1,3 (0-11 meses), 3,1 contra 2,4 (12-23 meses) e 0,8 contra 0,7 (24-59 meses). As crianças que apresentaram DMG e DmG tiveram um crescimento linear significativamente mais irregular do que os controles durante o acompanhamento.

Os mesmos quatro patógenos (rotavírus, Cryptosporidum spp, Shigella spp e E. coli enterotoxigênica produtora de toxina estável ao calor) são responsáveis pela maioria dos casos de diarreia moderada a grave e diarreia menos grave.

Os autores do estudo concluíram que os mesmos quatro patógenos (rotavírus, Cryptosporidum spp, Shigella spp e E. coli enterotoxigênica produtora de toxina estável ao calor) são responsáveis pela maioria dos casos de DMG e DmG. Na opinião dos autores, e devido ao fato de que essas doenças diarreicas afetam nutricionalmente as crianças acometidas, devem ser realizados esforços preventivos para conter esses agentes etiológicos.

Acesso em 06 Set 2019. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6484777/pdf/main.pdf

REFERÊNCIAS

  1. Kotloff KL, Nasrin D, Blackwelder WC, Wu Y, Farag T, Panchalingham S, et al.

    The incidence, aetiology, and adverse clinical consequences of less severe diarrhoeal episodes among infants and children residing in low-income and middle-income countries: a 12-month case-control study as a follow-on to the Global Enteric Multicenter Study (GEMS).

    Lancet Glob Health. 2019 May;7(5):e568-e584.