Pesquisadores investigaram os efeitos do exercício ao ar livre durante o inverno em pacientes com inflamações alérgicas das vias aéreas, avaliando a qualidade de vida, espirometria, aptidão cardiorrespiratória e sintomas alérgicos.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que, em todo o mundo, 400 milhões de pessoas sofram de rinite alérgica (RA) e 300 milhões de asma. Tradicionalmente, a RA e a asma alérgica são tratadas como duas doenças distintas, mas muitos estudos epidemiológicos encontraram uma ligação entre estas alergias respiratórias (AR). Desta forma, é interessante utilizar uma perspectiva integrativa para alcançar os efeitos ótimos no tratamento destes pacientes.

As AR representam um sério problema de saúde pública, pois afetam negativamente a qualidade de vida, reduzem a produtividade no trabalho, levam ao absenteísmo escolar, além de requerer o uso de medicamentos crônicos emuitas vezes de hospitalizações.

Em relação ao tratamento das AR, além do uso de medicamentos, as atividades físicas regulares demostraram melhorar os sintomas, qualidade de vida e capacidade de realizar exercícios. A maioria dos estudos sobre treinamento físico para esses pacientes incluem a natação, esteira ou exercícios aeróbicos. O treinamento ao ar livre, em ambientes naturais, reconhecidamente resulta em sentimentos significativamente maiores de prazer e satisfação, fazendo com que as pessoas tenham mais chances de continuarem se exercitando. No entanto, existem
poucas evidências sobre essa modalidade de treinamento em pessoas com AR, especialmente durante o inverno.

Nesse sentido, pesquisadores investigaram os efeitos do exercício ao ar livre durante o inverno em pacientes com inflamações alérgicas das vias aéreas, avaliando a qualidade de vida, espirometria, aptidão cardiorrespiratória e sintomas alérgicos.

Para o estudo, que foi publicado no periódico científico International Journal of Environmental Research and Public Health, foram recrutados indivíduos com AR para realizarem um programa de esportes de inverno de dez dias, ou para participarem de um grupo controle sem nenhuma intervenção.

Os resultados encontrados revelaram uma melhoria significativa na fração de óxido nítrico (FeNO) exalado ao final dos 10 dias de intervenção, e uma diminuição significativa no FeNO após uma única caminhada no grupo de exercícios. Os participantes do grupo de intervenção também apresentaram uma diminuição a curto prazo na contagem de células eosinofílicas nasais, e uma redução dos sintomas alérgicos na escala visual analógica. Os pesquisadores não observaram nenhum efeito adverso com a prática de exercício ao ar livre durante o inverno.

Um programa de dez dias de atividades físicas durante o inverno reduziu a inflamação alérgica das vias aéreas em pacientes que sofrem de alergias respiratórias.

Os autores do estudo concluíram que um programa de dez dias de atividades físicas durante o inverno reduziu a inflamação alérgica das vias aéreas em pacientes que sofrem de AR. Além disso, os exercícios diminuíram o número de células eosinofílicas e melhoraram os sintomas alérgicos, indicando uma melhora geral da inflamação nas vias aéreas. Nenhum dos participantes relatou efeitos indesejáveis durante a intervenção, e todos os participantes apresentaram alta adesão e boa tolerância física. Portanto, na opinião dos investigadores, o exercício recreacional de inverno ao ar livre pode ser recomendado para pacientes com AR.

Acesso em 05 Set 2019. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6603979/pdf/ijerph-16-02040.pdf

REFERÊNCIAS

  1. Prossegger J, Huber D, Grafetstätter C, Pichler C, Braunschmid H, Weisböck-Erdheim R, et al.

    Winter Exercise Reduces Allergic Airway Inflammation: A Randomized Controlled Study.

    Int J Environ Res Public Health. 2019 Jun 8;16(11).