Publicado no periódico científico Annals of Agricultural and Environmental Medicine, o estudo avaliou uma amostra populacional que incluiu 102 pacientes, entre 8 e 17 anos, que estavam sob diagnóstico ou imunoterapia devido a uma reação sistêmica após picadas de inseto.

As picadas de insetos são o segundo principal fator de risco para a anafilaxia em crianças e adolescentes, podendo levar a reações potencialmente fatais. A qualidade de vida relacionada à saúde (QVRS), uma avaliação subjetiva de quão significativamente a condição de saúde influencia a vida cotidiana de um paciente, emergiu recentemente como um importante conceito e resultado na prática clínica e na atenção à saúde. Desta forma, a QVRS é uma questão importante para os pacientes com alergia ao veneno de insetos, especialmente aos AVH, alergia a venenos de insetos da ordem Hymenoptera, que compreendem vespas, abelhas e formigas.

Nesse sentido, pesquisadores avaliaram o impacto do AVH na QVRS de pacientes jovens, incluindo suas características sociodemográficas.

Para o estudo, que foi publicado no periódico científico Annals of Agricultural and Environmental Medicine, foi avaliada uma amostra populacional que incluiu 102 pacientes com idades entre 8 e 17 anos, que estavam sob diagnóstico ou imunoterapia devido a uma reação sistêmica após picadas de inseto. A amostra foi composta principalmente por meninos (70%) de áreas rurais (63%). A QVRS dos pacientes estudados foi medida com a Escala de Qualidade de Vida Infantil para Alergia ao Veneno de Hymenoptera (EQVIAVH), um questionário que abrange 6
dimensões: ansiedade, cautela, limitações, desconforto, apoio recebido dos pais e sensação de segurança. Os preditores independentes de QVRS foram estimados pelo Modelo Linear Generalizado.

No grupo de crianças que tiveram reações dérmicas, as meninas relataram um maior nível de ansiedade. No grupo de crianças de reações gastrointestinais, as meninas relataram menor ansiedade. Os meninos que estavam em tratamento de imunoterapia com veneno (ITV) por mais de 3 anos, tiveram seu nível de ansiedade significativamente menor do que aqueles estudados no momento do diagnóstico. A sensação de segurança foi maior em crianças que viviam em áreas rurais do que naquelas que viviam áreas urbanas.

Uma duração mais longa da ITV esteve relacionada a uma menor ansiedade, menor cautela e menor apoio recebido dos pais.

Os autores do estudo concluíram que uma duração mais longa da ITV esteve relacionada a uma menoransiedade, menor cautela e menor apoio recebido dos pais. A ansiedade foi uma dimensão da QVRS que influenciou o nível de todas as outras dimensões, exceto no apoio recebido dos pais. A dimensão de limitações dependeu do tipo de inseto envolvido e do local de residência. O maior nível de desconforto esteve relacionado a uma maior cautela e limitações. As crianças com maior grau de reação tiveram um maior nível de apoio recebido dos pais. O apoio recebido dos pais aumentou com a cautela e o desconforto da criança. A sensação de segurança foi maior em crianças que viviam em áreas rurais.

Acesso em 04 Set 2019. Disponível em: http://www.aaem.pl/pdf-93747-36706?filename=Health-related%20quality%20of.pdf

REFERÊNCIAS

  1. Brzyski P, Cichocka-Jarosz E, Tarczoń I, Jedynak-Wąsowicz U, Tomasik T, Lis G.

    Health-related quality of life in children and adolescents after systemic sting reaction.

    Ann Agric Environ Med. 2019 Mar 22;26(1):103-108.