O estresse é um reconhecido precipitante da depressão, e os pacientes com distúrbios do sono têm o dobro de chances de apresentarem sintomas de depressão em estados de estresse crônico do que aqueles sem problemas do sono. Embora a insônia clínica seja um fator de risco bem estabelecido para a depressão, indivíduos com insônia subclínica também estão sob risco elevado, particularmente durante períodos de alto estresse.

Desta forma, pesquisadores analisaram os efeitos independentes e combinados dos sintomas de insônia noturna e da excitação cognitiva induzida pelo estresse no risco de desenvolver depressão.

Para o estudo, que foi publicado no periódico científico PLoS One, os investigadores recrutaram 1.126 adultos sem histórico de depressão ou de insônia para completaram 3 pesquisas anuais sobre sono, estresse e depressão. Os pesquisadores examinaram se os sintomas da insônia noturna e as intrusões cognitivas induzidas pelo estresse poderiam prever a depressão, um e dois anos mais tarde. Também foram comparados o risco de depressão em quatro grupos distintos: 1. indivíduos com intrusões cognitivas leves e sem sintomas de insônia (grupo de referência), 2. indivíduos com intrusões cognitivas leves e insônia noturna, 3. indivíduos com intrusões cognitivas graves e sem insônia 4. indivíduos com intrusões cognitivas graves e insônia noturna.

Os resultados revelaram que os sintomas de insônia e as intrusões cognitivas conseguiram prever a gravidade da depressão em um e dois anos. A incidência de depressão geral ao longo de dois anos foi de 6,2%. Os indivíduos com intrusões cognitivas graves e insônia tiveram as maiores taxas de depressão (13,0%), enquanto que o grupo de referência teve as menores taxas (3,3%). Entre os indivíduos com intrusões cognitivas graves, aqueles com latência superior a 30 minutos, relataram maiores sintomas de depressão do que os que não apresentavam insônia.
Os autores do estudo concluíram que a insônia noturna e dificuldade em encobrir os pensamentos sobre fatores estressantes da vida criam um ambiente insalubre. Na opinião dos investigadores, as intrusões cognitivas após o estresse criam uma mentalidade depressogênica, e a insônia pode aumentar os efeitos da excitação cognitiva contribuindo para o desenvolvimento da depressão. As pessoas com insônia podem ser especialmente vulneráveis a intrusões cognitivas quando têm dificuldade em iniciar o sono. Como comportamentos tratáveis, a insônia e excitação cognitiva podem ser modificadas para reduzir o risco de depressão em pessoas com distúrbios do sono.

 
Acesso em 28 Ago 2019.
Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5810998/pdf/pone.0192088.pdf

A insônia noturna e dificuldade em encobrir os pensamentos sobre fatores estressantes da vida criam um ambiente insalubre.

REFERÊNCIAS

  1. Kalmbach DA, Pillai V, Drake CL.

    Nocturnal insomnia symptoms and stress-induced cognitive intrusions in risk for depression: A 2-year prospective study.

    PLoS One. 2018 Feb 13;13(2):e0192088.