Os ácidos graxos ômega (n)-3 são vitais para a saúde materno-fetal. Investigações anteriores revelaram que os ácidos graxos n-3 servem como substratos para a biossíntese de mediadores lipídicos especializados na pró-resolução (MEP) que possuem efeitos antiinflamatórios e imunoestimulantes. O papel que os MEP desempenham na proteção contra resultados negativos de saúde materno-fetal, infantil e no risco de doenças ainda não estão claros. Além disso, atualmente não existem biomarcadores para a suficiência de ácidos graxos n-3.

Desta forma, pesquisadores investigaram as relações entre a ingestão de ácidos graxos n-3, níveis de MEP e desfechos de saúde materno-fetal.

Os investigadores analisaram as informações de ingestão de ácidos graxos n-3 de 136 mães admitidas para o parto, por meio de um questionário de frequência alimentar. Também mediram os níveis de MEPs derivados do ácido docosa-hexaenóico (DHA) D1 (RvD1) e RvD2 no plasma materno e no plasma do cordão de 138 crianças.

Os resultados revelaram que o MPE se encontra significativamente elevado no plasma materno em relação ao plasma do cordão das crianças. Níveis aumentados de MPE materno e infantil foram associados a desfechos negativos, como partos prematuros, internação em unidade de terapia intensiva neonatal (UTIN). Também foi identificado que a ingestão aumentada de DHA esteve associada com um elevado nível de RvD1 e RvD2 no plasma materno no ambiente de internação UTIN.
Os autores do estudo concluíram que, o aumento da ingestão de ácidos graxos n-3 pode fornecer um substrato aumentado para a produção de MPE durante condições de gravidez/parto de alto risco, e que o aumento do MPE no plasma materno pode servir como um biomarcador para resultados neonatais negativos.

 
Acesso em 23 Ago 2019. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6356980/

O aumento da ingestão de ácidos graxos n-3 pode fornecer um substrato aumentado para a produção de MPE durante condições de gravidez/parto de alto risco, e que o aumento do MPE no plasma materno pode servir como um biomarcador para resultados neonatais negativos.

REFERÊNCIAS

  1. Nordgren TM, Anderson Berry A, Van Ormer M, Zoucha S, Elliott E, Johnson R, et al.

    Omega-3 Fatty Acid Supplementation, Pro-Resolving Mediators, and Clinical Outcomes in Maternal-Infant Pairs.

    Nutrients. 2019 Jan 5;11(1).