Pesquisadores buscaram determinar se a suplementação pré-natal de DHA pode melhor a função cognitiva global, o funcionamento comportamental e o desempenho da atenção aos 5 anos de idade.

Diversos nutrientes, inclusive os oligoelementos como os ácidos graxos n-3, são fundamentais para o desenvolvimento do cérebro humano e da função neurotransmissora. Estudos anteriores identificaram o ácido graxo n-3 DHA como sendo crucial para o desenvolvimento do sistema nervoso central, revelando que o status materno de DHA no parto foi inversamente correlacionado com aumento da distração nos coceptos.

Os depósitos de DHA infantil são estabelecidos ainda no útero e durante o primeiro ano de vida. Portanto, um fornecimento adequado de DHA materno durante a gravidez e lactação é fundamental para o estabelecimento de um armazenamento apropriado. As principais fontes alimentares de DHA são peixes de água fria e frutos do mar e, embora o corpo humano possa converter o ácido graxo α-linolênico n-3 (mais comum) em DHA, as fontes dietéticas e a conversão enzimática podem não ser suficientes para garantir um suprimento adequado durante os primeiros dias de vida e, portanto, a suplementação pode ser necessária.

Nesse sentido, pesquisadores buscaram determinar se a suplementação pré-natal de DHA pode melhor a função cognitiva global, o funcionamento comportamental e o desempenho da atenção aos 5 anos de idade em crianças cujas mães participaram de um estudo para avaliar os efeitos de suplementação pré-natal com DHA no crescimento e desenvolvimento infantil.

Para o estudo, que foi publicado no The American Journal of Clinical Nutrition, um total de 1.094 mulheres foram aleatoriamente designadas para receber 400 mg por dia de DHA ou placebo, desde as semanas 18-22 de gravidez até o parto. Os investigadores avaliaram o desenvolvimento cognitivo e o funcionamento comportamental e executivo, incluindo a atenção, em 797 crianças dessas mães aos 5 anos de idade (82% de 973 nascidos vivos). Para a avaliação os pesquisadores utilizaram as Escalas: McCarthy de Habilidades Infantis (MSCA) para a cognição, a
segunda edição da Escala de Problemas do Comportamento (BASC-2) para o comportamento, e o Conners' Kiddie Continuous Performance Test (K-CPT) para a atenção.

Os resultados do estudo apontaram que não houve diferenças entre os grupos para as pontuações na MSCA, mas foi encontrado o efeito positivo do ambiente doméstico aos 12 meses para as habilidades cognitivas gerais, foi atenuado no grupo DHA quando comparado com o grupo placebo. Não houve diferenças entre os grupos na BASC- 2. No entanto, os resultados no K-CPT das crianças do grupo DHA apontaram uma média de pontuação mais alta, em comparação com aquelas do grupo placebo, para os erros de omissões, indicando respostas não-orientadas e
lentas, das crianças.

A suplementação de DHA na segunda metade da gravidez pode melhorar a atenção sustentada das crianças além da primeira infância.

Os autores do estudo concluíram que a suplementação de DHA na segunda metade da gravidez pode melhorar a atenção sustentada das crianças além da primeira infância. O estudo não encontrou diferenças em relação às medidas de problemas de atenção relatados pelos pais, que, segundo os autores, são medidas menos objetivas. No entanto, foram observadas diferenças entre os grupos de tratamento na interação entre o DHA pré-natal e a qualidade do ambiente familiar no início da vida em relação às habilidades cognitivas, sugerindo que esses efeitos podem persistir até a primeira infância.

Acesso em 04 Set 2019. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5039806/pdf/ajcn101071.pdf

REFERÊNCIAS

  1. Ramakrishnan U, Gonzalez-Casanova I, Schnaas L, DiGirolamo A, Quezada AD, Pallo BC, et al.

    Prenatal supplementation with DHA improves attention at 5 y of age: a randomized controlled trial.

    Am J Clin Nutr. 2016 Oct;104(4):1075-1082.