Os agonistas do peptídeo semelhante a glucagon 1 (GLP-1) são uma classe de medicamentos hipoglicemiantes parenterais que ativam os receptores de incretinas endógenas GLP-1. Tais medicações reduzem a glicose ao inibirem a secreção de glucagon e ao promoverem a secreção de insulina em resposta à hiperglicemia, retardando o esvaziamento gástrico e aumentando a saciedade. Estudos prévios mostraram que essas medicações podem apresentar cardioproteção. Dessa forma, aventou-se a hipótese de que podem reduzir desfechos cardiovasculares, além de controlar a glicemia e auxiliar na perda de peso.

Lixisenatida é um agonista dos receptores GLP-1, indicado uma vez ao dia, com eficácia em reduzir a hemoglobina glicada em pacientes com diabetes melito (DM) tipo 2, diminuindo tanto a glicemia de jejum como a pós-prandial. O estudo Evaluation of Lixisenatide in Acute Coronary Syndrome (ELIXA) foi multicêntrico, randomizado, duplo-cego e placebo-controlado, tendo envolvido pacientes com DM2 que apresentaram síndrome coronária aguda até 180 dias prévios à seleção. Teve como objetivo primário o composto de morte cardiovascular, infarto e acidente vascular encefálico não fatais e hospitalização por angina instável. Os desfechos secundários incluíram um composto do desfecho primário ou hospitalização por insuficiência cardíaca (IC) e um composto do desfecho primário e hospitalização por IC ou procedimentos de revascularização miocárdica. Foram analisados também morte por todas as causas e, individualmente, cada um dos componentes dos desfechos compostos. Os desfechos de segurança englobaram incidência de hipoglicemia, pancreatite, neoplasias e reações alérgicas sistêmicas.

Foram incluídos 6.068 pacientes randomizados para receber, inicialmente, lixisenatida 10 µg por dia, via subcutânea, tendo se aumentado para 20 µg por dia, após duas semanas, ou placebo, em volume correspondente. Foram excluídos pacientes com menos de 30 anos, aqueles submetidos à intervenção coronária percutânea 15 dias prévios à seleção ou à cirurgia de revascularização do miocárdio no evento-índice ou com revascularização programada até 90 dias após a seleção, indivíduos com taxa de filtração glomerular inferior a 30 ml/min/1,73 m2 e hemoglobina glicada entre 5,5% e 11%. O período médio de acompanhamento foi de 25 meses.

O desfecho primário ocorreu em 406 pacientes (13,4%) do grupo lixisenatida e em 399 (13,2%) do grupo placebo (HR: 1,02; IC: 0,89-1,17), tendo mostrado não inferioridade de lixisenatida comparada a placebo (p < 0,001), mas não superioridade (p = 0,81). A frequência de cada um dos componentes dos desfechos compostos e de morte por todas as causas também não apresentou diferenças significativas quando analisados de forma isolada, bem como o desfecho primário acrescido de hospitalização por IC e de procedimentos de revascularização.

Apesar de o tratamento hipoglicemiante estar sob responsabilidade dos investigadores, a redução de hemoglobina glicada foi maior no grupo de estudo que no placebo (- 0,6% versus - 0,2%; p < 0,001), entretanto a ocorrência de eventos de hipoglicemia foi semelhante entre ambos. Em relação aos efeitos metabólicos, o grupo lixisenatida apresentou mais perda de peso após 12 semanas (- 0,6 kg versus - 0,0 kg; p < 0,001), além de redução modesta na pressão arterial sistólica (diferença de - 0,8 mmHg; IC: - 1,3 a - 0,3) a favor de lixisenatida (p = 0,001).

A ocorrência de eventos adversos que levaram à descontinuação da medicação ocorreu em 11,4% do grupo de estudo e em 7,2% do placebo  (p < 0,001), sendo a queixa mais comum relacionada a sintomas gastrointestinais. Entretanto, a incidência de eventos adversos graves foi semelhante entre ambos os grupos.

Assim, em pacientes com DM2 que sofreram síndrome coronária aguda recentemente, o tratamento associado ao agonista GLP-1, lixisenatida, não se relacionou à diferença nas taxas de eventos cardiovasculares quando comparado à terapia convencional, sem risco aumentado de hipoglicemia ou pancreatite.
Dra. Adriana Bertolami
CRM/SP 116.967
Médica da Seção de Dislipidemias do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia

Código Zinc: SABR.SA.19.09.1702

REFERÊNCIAS

  1. Pfeffer MA, Claggett B, Diaz R, Dickstein K, Gerstein HC, Køber LV, et al.

    Lixisenatide in patients with type 2 diabetes and acute coronary syndrome

    N Engl J Med. 2015;373(23):2247-57.