A dermatite atópica (DA) é a mais comum das doenças inflamatórias cutâneas, sendo causada por defeitos na diferenciação terminal dos queratinócitos e por respostas imunes tipo 2. Essa condição causa morbidade psicológica e social.

Embora a DA leve e a moderada geralmente possam ser tratadas com corticoides tópicos, inibidores tópicos da calcineurina e fototerapia, cerca de 2% dos pacientes com DA grave necessitam de tratamentos sistêmicos para o controle adequado dos sintomas. No entanto, os agentes convencionais, incluindo a ciclosporina, não podem ser usados por muitos anos devido aos efeitos colaterais como nefrotoxicidade, hipertensão e riscos de malignidade a longo prazo.

Muitos novos agentes tópicos e sistêmicos que podem ter grande potencial no tratamento da DA estão surgindo nos ensaios clínicos, dando início a uma nova era no tratamento dessa doença.O objetivo deste artigo é resumir a eficácia e a segurança das terapias atuais e sistêmicas na DA, revisando artigos recentemente publicados sobre estudos clínicos de fase II/III.

Os inibidores tópicos da fosfodiesterase 4 (PDE4) e os inibidores da Janus quinase (JAK) são tratamentos promissores para a DA.

A PDE4 é um regulador-chave da produção de citocinas inflamatórias na DA por meio da degradação do monofosfato de adenosina cíclico. A atividade da PDE4 está aumentada nas células inflamatórias circulantes de pacientes com DA. Entre os inibidores tópicos da PDE4, estão o crisaborole e o OPA15406, que inibem a PDE4 e sua capacidade de degradar o monofosfato de adenosina cíclico intracelular. Já os inibidores tópicos de JAK em estudo são o tofacitinibe e o JTE-052.

Além disso, terapias sistêmicas, como os biológicos visando à interleucina (IL)-13 e inibidores orais de JAK, demonstram forte eficácia na DA.

O dupilumabe está bem estabelecido como notavelmente eficaz no tratamento de DA. O dupilumabe é um anticorpo monoclonal humano (mAb) contra o receptor alfa da IL-4. Como o receptor da IL-4 e o receptor da IL-13 compartilham a cadeia alfa, o anticorpo inibe a sinalização da IL-4 e da IL-13. O dupilumabe demonstrou ser eficaz em dois ensaios de fase III randomizados, controlados por placebo, de concepção idêntica (SOLO 1 e SOLO 2), publicados em 2016, com cerca de 1.400 pacientes.

Terapias sistêmicas também foram estudadas na DA: dois anticorpos contra a IL-13, o lebriquizumabe e o traloquinumabe, além de um anticorpo contra o receptor de IL-31, o nemolizumabe. Aprovado para psoríase, o ustequinumabe, um antagonista de IL-12/IL-23p40, também vem sendo avaliado para DA.

Outros alvos promissores para o tratamento tópico e sistêmico da DA são os JAKs, criticamente envolvidos na transdução de sinal via receptores de citocinas. Vários estudos sobre o sucesso do tratamento da DA com inibidores sistêmicos de JAK, como o upadacitinibe (inibidor da JAK1), o baricitinibe (inibidor de JAK1 e JAK2) e o PF-04965842 (inibidor da JAK1), estão disponíveis.

Terapias sistêmicas como imunobiológicos contra IL-13 e os inibidores de JAK1 demonstram grande eficácia no tratamento da DA.

REFERÊNCIAS

  1. Suga H, Sato S.

    Novel topical and systemic therapies in atopic dermatitis.

    Immunol Med. 2019 Jul 18:1-10. Acesso em 23 de setembro de 2019: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/25785826.2019.1642727

  2. Simpson EL, Bieber T, Guttman-Yassky E, Beck LA, Blauvelt A, Cork MJ, et al.

    Two phase 3 trials of dupilumab versus placebo in atopic dermatitis.

    N Engl J Med. 2016;375(24):2335-48. Acesso em 23 de setembro de 2019: https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMc1700366?url_ver=Z39.88-2003&rfr_id=ori%3Arid%3Acrossref.org&rfr_dat=cr_pub%3Dpubmed