As técnicas de reprodução assistida (RA), incluindo fertilização in vitro (FIV) e injeção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI), são muito utilizadas para tratar casais inférteis, sendo bem-sucedidas (taxa de nascidos vivos) em cerca de 30% a 40% dos casos. Tem havido aumento na aceitação de que a nutrição pode estar relacionada à fertilidade e, especialmente, ao sucesso na RA em mulheres.

Com o objetivo de verificar se a aderência a algum padrão dietético teria impacto no resultado da RA, os autores testaram a hipótese de que dieta saudável, particularmente priorizando a ingestão de ácido fólico, vitaminas B12 e D, frutas, vegetais e peixes/frutos do mar, poderia proporcionar mais probabilidade de sucesso do tratamento.

O estudo acompanhou 357 mulheres com idade entre 18 e 46 anos que estavam participando do estudo prospectivo EARTH (Enviroment and Reproductive Health) do Centro de Fertilidade do Hospital Geral de Massachusetts. Antes de iniciar o tratamento de RA, as pacientes respondiam a um questionário de frequência alimentar validado, em que se questionava com que frequência, em média, no último ano, elas tinham consumido os alimentos e bebidas listados. As que ingeriam vitaminas e suplementos deviam especificar marca, dose e frequência de uso. Com todos esses dados, os pesquisadores puderam calcular a quantidade total ingerida de cada nutriente.

Foram calculados escores de aderência a vários padrões de dieta, usando-se a quantidade de alimentos e bebidas relatados pelas pacientes. Por exemplo, o escore da dieta mediterrânea era calculado com dados da frequência de ingestão de vegetais, legumes, batatas, frutas, grãos integrais, peixes e azeite de oliva (pontuação positiva) e carne vermelha, aves, álcool e laticínios não magros (pontuação negativa). O mesmo procedimento se aplicou ao escore aHEI-2010 (Alternate Healthy Eating Index 2010) e à dieta da fertilidade, que teve o escore baseado nos fatores associados a menos risco de infertilidade anovulatória na coorte do Nurses’ Health Study II.

Os autores criaram um outro escore (dieta pró-fertilidade) baseado em alimentos e nutrientes previamente relacionados a resultados de RA, considerando ácido fólico suplementar, vitaminas B12 e D, frutas e vegetais com baixo teor de pesticidas, grãos integrais, peixes/frutos do mar, laticínios e alimentos de soja. Ingestão de frutas e vegetais com alto teor de pesticidas reduzia a pontuação.

As mulheres da coorte foram submetidas a um total de 608 ciclos de RA em um período de dez anos. Ao analisar a aderência aos diversos tipos de dieta usando os escores, observou-se que mais aderência à dieta aHEI-2010 e à dieta da fertilidade não se correlacionou a mais sucesso na RA. A dieta mediterrânea não se associou linearmente a êxito na RA, uma vez que não se observaram benefícios adicionais entre o segundo e o quarto quartil do escore. Por outro lado, a aderência à dieta pró-fertilidade mostrou melhores resultados de RA com aumento das taxas de implantação, gravidez clínica e nascidos vivos e redução da taxa de perda gestacional de gravidezes clínicas.

Este artigo mostra que a aderência à dieta pró-fertilidade antes do tratamento de RA associou-se a mais probabilidade de sucesso.
Dra. Patrícia de Rossi

Mestre em Ginecologia e Obstetrícia pela Faculdade de Medicina da
Universidade de São Paulo (FMUSP) Preceptora da Residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia no Conjunto. Hospitalar do Mandaqui (São Paulo/SP) . CRM/SP 79.066/SP | RQE 51.165

Código Zinc: SABR.SA.19.07.1423i

REFERÊNCIAS

  1. Gaskins AJ, Nassan FL, Chiu YH, Arvizu M, Williams PL, Keller MG, et al.

    EARTH Study Team. Dietary patterns and outcomes of assisted reproduction.

    Am J Obstet Gynecol. 2019;220(6):567.e1-567.e18. doi: 10.1016/j.ajog.2019.02.004. Epub 2019 Feb 8