A dor é um fenômeno muito complexo e subjetivo, e pode ser considerada como um sintoma de uma condição subjacente ou como uma condição própria. Para o tratamento adequado é fundamental classificar a dor relatada pelo paciente. Uma avaliação da dor, analisando a intensidade, distribuição e duração, fornecem informações valiosas para o diagnóstico. No entanto, apesar dos avanços tecnológicos, a objetivação da dor ainda é um problema não resolvido. Os mapas de dor (MD) têm sido utilizados há meio século para superar a complexidade da comunicação entre pacientes e médicos.  Diferentes instrumentos, inclusive eletrônicos, têm sido utilizados para obter MDs. Vários estudos testaram sua usabilidade, confiabilidade em diversas situações de dor, comprovando que seu uso, em conjunto com a anamnese e o exame físico, pode auxiliar no diagnóstico diferencial em muitas situações.

 

Nesse sentido, pesquisadores examinaram o papel potencial de MD eletrônicos, coletados em um tablet, na avaliação clínica e no tratamento de pacientes internados em situações de dor aguda, analisando se o método melhorou a compreensão dos especialistas em dor e influenciou na tomada de sua decisão clínica.

 
Para o estudo, que foi publicado no periódico científico JMIR Mhealth and Uhealth, os pesquisadores obtiveram MDs eletrônicos de 47 pacientes internados em situações de dor aguda antes da consulta com um especialista em dor. Antes de analisar os mapas de seus pacientes, os especialistas traçaram sua própria concepção da dor dos pacientes após anamnese e exame físico. Os mapas dos pacientes foram então revelados aos médicos, e estes avaliaram o quanto as informações adicionais melhoraram sua compreensão do caso e o quanto isso influenciou sua decisão clínica. As semelhanças e diferenças entre as MDs dos pacientes e dos médicos também foram avaliadas.

 

Os mapas de dor (MD) eletrônicos podem melhorar a compreensão dos médicos sobre pacientes em situações de dor aguda. Na opinião dos autores, a capacidade dos MDs eletrônicos de visualizar as diferenças entre a concepção de dor dos médicos e dos pacientes tem o potencial de melhorar a comunicação entre eles.

Os resultados mostraram que os MDs dos pacientes melhoraram significativamente a compreensão dos médicos e, em menor grau, sua decisão clínica. Os MDs eletrônicos de pacientes e médicos mostraram uma semelhança de ‘razoável a boa’ para a extensão da dor e a disseminação generalizada, sendo fatores importantes para auxiliar os médicos a entender seus pacientes.

 

Os autores do estudo concluíram que, em um ambiente clínico, os MDs eletrônicos podem melhorar a compreensão dos médicos sobre pacientes em situações de dor aguda. Na opinião dos autores, a capacidade dos MDs eletrônicos de visualizar as diferenças entre a concepção de dor dos médicos e dos pacientes tem o potencial de melhorar a comunicação entre eles.

 

Acesso em 27 Nov 2019. Disponível em: https://mhealth.jmir.org/2019/1/e11412/pdf

 

SABR.SA.19.11.2096

REFERÊNCIAS

  1. Shaballout N, Aloumar A, Neubert TA, Dusch M, Beissner F.

    Digital Pain Drawings Can Improve Doctors' Understanding of Acute Pain Patients: Survey and Pain Drawing Analysis.

    JMIR Mhealth Uhealth. 2019 Jan 10;7(1):e11412.