Samama MM, et al. Comparação entre enoxaparina e placebo na prevenção de tromboembolismo venoso em pacientes clínicos agudamente doentes. Grupo de Estudo de Profilaxia com Enoxaparina em Pacientes Clínicos. N Engl J Med. 1999 Sep 9;341(11):793-800.1

Métodos: em estudo duplo-cego, randomizaram-se 1.102 pacientes hospitalizados com idade superior a 40 anos para receber 40 mg de enoxaparina, 20 mg de enoxaparina ou placebo, por via subcutânea, uma vez ao dia, durante o período de 6 a 14 dias. A maioria dos pacientes não estava em unidade de tratamento intensivo.1 

O desfecho primário foi a ocorrência de tromboembolismo venoso entre os dias 1 e 14, definido como trombose venosa profunda detectada por venografia bilateral (ou ultrassonografia duplex) realizada entre os dias 6 e 14 (ou antes, se clinicamente indicado) ou embolia pulmonar documentada. A duração do acompanhamento foi de 3 meses.1

Resultados: o desfecho primário pôde ser avaliado em 866 pacientes. A incidência de tromboembolismo venoso foi significativamente menor no grupo que recebeu 40 mg de enoxaparina (5,5% [16 de 291 pacientes]) do que no grupo que recebeu placebo (14,9% [43 de 288 pacientes]), com risco relativo de 0,37, intervalo de confiança de 97,6% de 0,22 a 0,63 e p<0,001.1  
 
O benefício observado com enoxaparina 40 mg foi mantido após 3 meses. Não houve diferença significativa de incidência de tromboembolismo venoso entre o grupo que recebeu 20 mg de enoxaparina (43 de 287 pacientes [15,0%]) e o grupo placebo.1

A incidência de efeitos adversos não diferiu significativamente entre o grupo placebo e cada um dos grupos de enoxaparina. Próximo ao dia 110, 50 pacientes tinham morrido no grupo placebo (13,9%), 51 no grupo de 20 mg (14,7%) e 41 no grupo de 40 mg (11,4%) de enoxaparina; as diferenças não foram significativas.1
 

O tratamento profilático com 40 mg diários de enoxaparina por via subcutânea reduz de forma segura e eficiente o risco de tromboembolismo venoso em pacientes com doenças clínicas agudas.

Comentário do estudo pelo Dr. Edison Paiva – CRM-SP 45.069

Publicado há mais de 15 anos, o estudo MEDENOX1 ajudou a responder três importantes dúvidas relativas à profilaxia de tromboembolismo venoso (TEV) em pacientes clínicos internados. Primeiro, por ter sido realizado com um grupo placebo, demonstrou definitivamente que os pacientes clínicos agudamente doentes com redução de mobilidade apresentam incidência importante de eventos tromboembólicos.1
 

A segunda questão diz respeito à dose de enoxaparina que deve ser utilizada na profilaxia desses eventos, observando-se que a chamada dose profilática baixa, ou seja, enoxaparina 20 mg SC uma vez ao dia, teve eficácia semelhante à de placebo, e apenas a dose profilática dita alta, 40 mg SC uma vez ao dia, diminuiu de maneira significativa a incidência de tromboembolismo.1 (Quadro 1) 

 

Conclusões: o tratamento profilático com 40 mg diários de enoxaparina por via subcutânea reduz de forma segura e eficiente o risco de tromboembolismo venoso em pacientes com doenças clínicas agudas.1


Por fim, o estudo MEDENOX ajuda na decisão sobre o tempo durante o qual se deve manter a profilaxia.1 A manutenção da profilaxia pelo período de 6 a 14 dias foi eficaz e segura em relação ao placebo e não há evidências na literatura de que períodos inferiores a 6 dias sejam eficazes mesmo que o paciente tenha alta ou recupere a mobilidade antes desse período.1,2 É importante ressaltar que foram detectados eventos adicionais de trombose na avaliação realizada 3 meses após a internação mesmo em pacientes que receberam profilaxia na dose correta por até 14 dias.1 (Quadro 2) 

Os autores comentam que a profilaxia por até 14 dias pode ter sido inadequada para alguns desses pacientes e que, do ponto de vista prático, a decisão de prolongá-la ou não seja tomada em base individual, considerando-se a persistência da redução de mobilidade e a importância dos fatores de risco apresentados pelo paciente.1,2 
 

BR.ENO.15.12.11

REFERÊNCIAS

  1. Samama MM, et al. 

    A comparison of enoxaparin with placebo for the prevention of venous thromboembolism in acutely ill medical patients. 

    Prophylaxis in Medical Patients with Enoxaparin Study Group. N Engl J Med. 1999 Sep 9;341(11):793-800. 

  2. Rocha AT, et al. 

    Risk-assessment algorithm and recommendations for venous thromboembolism prophylaxis in medical patients. 

    Vasc Health Risk Manag. 2007;3(4):533-53.