Como a maioria das doenças metabólicas, a Mucopolissacaridose tipo I é de herança autossômica recessiva. Ou seja, os pais são sadios, mas carregam um gene portador da mutação que determina a doença, que só se manifesta quando presente em ambos os cromossomos. Assim, os pais portadores têm, a cada gestação, 25% de chances de ter um(a) filho(a) que desenvolva MPS I, 50% de chances de ter um(a) filho(a) portador da mutação, porém saudável, e 25% de chances de ter um(a) filho(a) que não é portador nem da mutação, nem da doença.

IMAGEM 1 – Herança da MPS I

-/media/Sanofi/Conecta/Artigos/2020/03/sinais-e-sintomas-conheca-um-pouco-mais-sobre-a-mps-i/herancampsnovo.ashx?w=1084&hash=283688CCC3A3C66CE6CA958C9515120E
Adaptado de: Moore D et al. Orphanet J Rare Dis. 2008 Sep 16;3:24. e Clarke LA. GeneReviews

 

No paciente com MPS I, a deficiência enzimática não permite a metabolização de um grupo de grandes moléculas nos lisossomos, e, por isso, faz parte do grupo de doenças de depósito lisossômico. Tais moléculas são os glicosaminoglicanos (GAGs), moléculas com diversas funções: são componentes estruturais de membranas celulares, matriz extracelular e tecido conectivo, cartilagem e líquidos articulares, estando envolvidos, ainda, na divisão celular e na comunicação célula a célula. O depósito de GAGs nos lisossomos acarreta em remodelação dos tecidos, fibrose, esclerose, hipertrofia, além de induzir um estado inflamatório.4

A falta de conhecimento sobre essa doença rara é um dos principais motivos do não diagnóstico. As causas primárias de óbito são as infecções respiratórias, as obstruções de vias aéreas e doença cardíaca.7

A MPS I é uma doença rara, que apresenta sintomas variados e que se manifestam com gravidade diferente em cada indivíduo, dependendo do grau da doença. Por isso, é importante observar, em seus pacientes, a presença dos sintomas, principalmente quando em conjunto: Opacidade de córnea, anormalidades cardíacas, limitações articulares, rigidez articular, mãos em garra, dedo em gatilho, hérnia, otite média aguda e recorrente são alguns dos sintomas mais frequentes. 1,2,3 Veja na imagem abaixo a ilustração dos sinais e sintomas.

 

IMAGEM 2 - Sinais e Sintomas

-/media/Sanofi/Conecta/Artigos/2020/03/sinais-e-sintomas-conheca-um-pouco-mais-sobre-a-mps-i/meninosintomasnovo.ashx?w=1084&hash=05139CB32017327894A43C5615376B86
Adaptado de: Muenzer J, et al. International Consensus Panel on Management and Treatment of Mucopolysaccharidosis I. Pediatrics. 2009 Jan;123(1):19-29. Tylki-Szymańska A, et al. Easy-to-use algorithm would provide faster diagnoses for mucopolysaccharidosis type I and enable patients to receive earlier treatment. Acta Paediatr. 2018 Aug;107(8):1402-1408.
Os pacientes com MPS I de fenótipo atenuado às vezes não apresentam alterações físicas obvias, tendo as funções cognitivas preservadas, o que pode levar a um baixo índice de suspeita clínica.10 Veja abaixo alguns exemplos de diagnóstico com os quais a MPS I pode ser confundida:11,12,13

• Artrite reumatoide (juvenil);
• Febre Reumática;
• Escleroderma;
• Doença do tecido conectivo;
• Doença reumática degenerativa;
• Distrofia muscular;
• Doença autoimune;
• Doença de Perthes;
• Síndrome do túnel do carpo;
• Dermatomiosite;


GZBR.ALDU.20.01.0025/Junho2020

REFERÊNCIAS

  1. Pastores GM, Arn P, Beck M, et al. The MPS I Registry:design, methodology, ad early findings of a global disease registry for monitoring patients with Mucopolysaccharidosis Type I. Mol Genet Metab.2007 May: 91(1):37-47. 

  2. Vijay S. Wraith JE.: Clinical presentation and follow-up of patients with the attenuated phenotype of mucopolysaccharidosis type I.Acta Pediatr 2005,94:872-877. 

  3. Wraith JE: The first 5 years of clinical experience with laronidase enzyme replacement therapy for mucopolyaccharidosis type I. Expert Opin Pharmacother 2005,6: 489-506. 

  4. Neufeld, E.F., e Muenzer, J. (2001) The mucopolysaccharidoses, In: The Metabolic and Molecular Bases of Inherited Disease. Scriver,C.R., Beaudet, A.L.,Sly, W.S.,Valle,D.,Childs,B., Kinzler, K.W., e Vogelstein,B (eds).8th edition , Vol III. McGraw-Hill, Medical Publishing Division.

  5. Vijay S.Wraith JE,: Clinical presentation and follow up of patients with the attenuated phenotype of mucopolysaccharidosis type I.Acta Pediatr 2005, 94:872-877. 

  6. Muenzer J,Wraith JE, Clarke LA.Muccopolysaccharidosis I: management and treatment guidelines.Pediatrics.2009;123:19-29. 

  7. Wraith JE: The first 5 years of clinical experience with laronidase enzyme replacement therapy for muccopolyaccharidosis type I. Expert Opin Pharmacother 2005, 6:489-506. 

  8. Cimaz R,Coppa GV,Kone-Paut I, et all. Joint contractures in the absence of inflammation may indicate muccopolyaccharidosis. Pediatr Rheumatol Online J.2009:7:18. 

  9. Cimaz R, Vijay S, Haase C, et al. Attenuated type I mucopolysaccharidosis in the diferencial diagnosis of juvenile idiopathic arthritis: a series of 13 patients with scheie syndrome. Clin Exp Rheumatol. 2006;24:196-202.

  10. Vijay S.Wraith JE,: Clinical presentation and follow up of patients with the attenuated phenotype of muccopolysaccharidosis type I. Acta Pediatric 2005,94:872-877.

  11. Vijay S. Wraith JE.: Clinical presentation and follow up of patients with the attenuated phenotype of mucopolysaccharidosis type I. Acta Pediatr 2005,94:872-877.

  12. Cimaz R, Vijay S, Haase C, et al. Attenuated type I mucopolysaccharidosis in the differencial diagnosis of juvenile idiopathic arthritis : a series of 13 patients with Scheie syndrome. Clin exp Rheumatol. 2006;24:196-202. 

  13. Manger B: Rheumatological Manifestations are key in the early diagnosis of Mucopolysaccharidosis Type I. Eur Msk Rev 2008, 3(1):22-26.