Doença meningocócica: epidemiologia no Brasil

 

A doença meningocócica causada pela bactéria Neisseria meningitidis, é uma infecção importante que pode produzir alta letalidade.

Dos 12 sorogrupos meningocócicos, seis (A, B, C, W, X e Y) são responsáveis por quase todas as doenças endêmicas e epidêmicas em todo o mundo.1

 

A vacina Menactra® protege contra quatro desses sorogrupos, (A, C, W e Y).2

 

A Neisseria meningitidis tornou-se a principal causa de meningite bacteriana em crianças nos EUA nas últimas décadas.3 Na América Latina, é também uma das principais causas de meningite em crianças e adultos jovens. Dos 12 sorogrupos conhecidos, 6 (A, B, C, W, X e Y) causam a maioria das doenças nos Estados Unidos, enquanto três (A, B e C) estão envolvidos na maioria dos casos em todo o mundo.4

Na América Latina, são 4 os sorogrupos responsáveis pela maioria das infecções meningocócicas (B, C, W e Y).2

 

No Brasil, durante o período de 2010 a 2018, foram confirmados 16.804 casos de doença meningocócica, destes 8.394 foram sorogrupados (50%). Dos sorogrupos identificados, o uso de uma vacina quadrivalente poderia evitar cerca de 80,6% dos casos. Neste mesmo período, foram confirmados 3.576 óbitos e uma letalidade chegando à 26% na faixa etária dos 10-19 anos de idade.5

 

No estado de Santa Catarina até a semana epidemiológica 35 de 2019, o comportamento da doença meningocócica permanece endêmico, com incidência de 0.45% por 100.000 mil/hab. Entre os casos confirmados em 2019, 18,8% são do sorogrupo B, sorogrupo C 31,3%, 2 casos do sorogrupo Y representando 6% das amostras; 28,1% foram identificadas como sorogrupo W com uma letalidade chegando a 42,9%.6

Fonte: SINAN (atualizado em 28/08/2019) SE 35. Dados sujeitos a alterações.


O estado de portador 

 

Neisseria meningitidis é uma bactéria classificada como diplococo Gram negativo que coloniza a orofaringe humana, geralmente de forma assintomática e é transmitida de pessoa a pessoa através de gotículas de saliva por contato direto com pessoas doentes ou portadores assintomáticos.7-9

 

A prevalência do estado de portador é dependente da idade do indivíduo, sendo menor nos primeiros anos de vida, aumentando durante a adolescência, pico entre 11 aos 19 anos de idade.7-10

 

As vacinas conjugadas possuem, como características, a indução de memória imunológica, respostas aos reforços, redução dos portadores e a consequente imunidade comunitária, superando as limitações das primeiras vacinas polissacarídicas.1,11-13

 

A transmissão da doença pode ser interrompida quando uma grande proporção da população é imune.

Este conceito é conhecido como imunidade de rebanho. A imunidade de rebanho é de grande importância em campanhas de vacinação, pois fornece proteção indireta, com reduções nas taxas de doença em indivíduos não imunizados. No entanto, a imunidade de rebanho só pode ocorrer se os programas de vacinação atingirem uma cobertura vacinal alta em uma população.14,15

 

A vacinação, a melhor forma de prevenir a meningite meningocócica

 

A vacinação de adolescentes é uma estratégia importante no controle da doença meningocócica visto que esta faixa etária tem um grande papel na transmissão da doença sendo a faixa com maior taxa de portabilidade da bactéria N. Meningitidis (até 20% dos adolescentes são portadores da bactéria).16 Obviamente para alcançar bons resultados em saúde pública é essencial a cobertura adequada dos grupos alvo, e vale reconhecer que a vacinação dos adolescentes se mostrou um grande desafio. Entre as populações prioritárias para a vacinação pelo PNI, este é o grupo que apresenta as menores taxas de coberturas.17,18,19

 

A cobertura alcançada em 2017, primeiro ano de implementação da vacina contra meningite C, foi inferior a 50% para as faixas etárias de 12 e 13 anos, e em 2018, segundo ano da campanha, girou em torno de 25% para os adolescentes de 11 e 12 anos (grupos etários incluídos ela primeira vez). 

 

É importante lembrar os adolescentes sobre a importância da vacinação contra a meningite meningocócica.

 

O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece imunização primária contra o Meningococo C: duas doses, aos 3 e 5 meses de vida, e o reforço aos 12 meses.20

 

Entretanto a vacinação na primeira infância não garante proteção contra a doença pela vida toda, por isso pré-adolescente e adolescentes (entre 11 anos e 14 anos) também tem o direito a receber a vacina contra a meningite do tipo C de maneira gratuita no SUS.6

 

A vacina está disponível durante todo o ano em mais de 37 mil postos em todo o País.

 

Para 2020, o Ministério da Saúde disponibilizará uma vacina mais ampla, denominada quadrivalente ACWY que imuniza o indivíduo contra 4 sorogrupos da bactéria que causa a meningite meningocócica. Esta vacina antes era encontrada apenas em clínicas de vacinação particulares. A nova vacina estará disponível para a vacinação de pré-adolescentes e adolescentes de 11 a 12 anos.21