OSTEOARTRITE (OA)

 

•   Doença articular mais frequente;1,2
•   Afeta várias articulações: mãos, joelhos e quadris;1,2
•   Causa alterações estruturais nas cartilagens articulares, osso subcondral, ligamentos, cápsula e membrana sinovial;1,2
•   Provoca: dor, rigidez e crepitação articular com instabilidade;1,2 
•   Promove incapacidade física e perda da qualidade de vida.1,2

 

 

EPIDEMIOLOGIA E IMPACTO

 

Envelhecimento, aumento da obesidade e das lesões traumáticas: maior a prevalência de OA. Atualmente afeta:

 

•   250 milhões de pessoas em todo o mundo;3 
•   12 milhões de brasileiros.4

 

Os principais fatores de risco para OA  são:2,5,6

 

•   Sexo feminino;
  Adiposidade, sobrepeso e obesidade: índice de massa corporal (IMC) superior a 25 kg/m2 aumenta em duas vezes o risco;6,7
  Fatores biomecânicos: desalinhamento e sobrecarga mecânica articular;
  Fatores genéticos: a suscetibilidade genética varia de 40% a 65%, dependendo da articulação;8,9
•   Inflamação sistêmica de baixo grau;
•   Trauma e lesão por esforço repetitivo.

 

A CARTILAGEM ARTICULAR E SUA COMPOSIÇÃO

 

Características da cartilagem:10

 

•   resistência e flexibilidade;
•   promove distribuição da carga e absorção do impacto pela articulação.

 

A OA está relacionada ao estresse oxidativo. O processo inflamatório resulta em perda do equilíbrio entre a síntese anabólica e a degradação catabólica da matriz, com consequente perda de cartilagem.10,12 

Composição:10

 

•   Condrócitos
-   produzem colágeno e proteoglicanos; 
-   liberam enzimas que ajudam a degradar o colágeno e os proteoglicanos.

 

•   Água (60% a 80%)
-   amortecedor; 
-   participa dos processos de nutrição e lubrificação da cartilagem.

 

•   Proteínas colágenas
-   fornece força à cartilagem e cria uma estrutura que abriga os outros componentes.

 

•   Proteoglicanos

 

•   Outras moléculas

 

TRATAMENTO DA OSTEOARTRITE

 

O tratamento da OA consiste de medidas farmacológicas e não farmacológicas com o objetivo de aliviar a dor e melhorar a função.3,10 Esses agentes previnem ou reduzem a deterioração da cartilagem articular.13 

 

-   dispõem-se ao redor das fibras de colágeno;
-   permitem que a cartilagem mude de forma quando comprimida;
-   retêm a água na cartilagem, que é redistribuída pelo movimento.

 

FISIOPATOLOGIA DA OSTEOARTRITE

 

Doença inflamatória crônica de baixo grau,11 a OA está relacionada ao estresse oxidativo. O processo inflamatório resulta em perda do equilíbrio entre a síntese anabólica e a degradação catabólica da matriz, com consequente perda de cartilagem.10,12 

 

COLÁGENO HIDROLISADO FORTIGEL®

 

•   Produto nutricional derivado de tecidos colágenos de animais que compreende uma variedade de polipeptídeos com pesos moleculares de 3 a 10 kDa.14
•   É absorvido após administração oral e distribuído nas articulações.14
•   Apresenta evidências de eficácia na OA.15
•   Estimula os condrócitos a sintetizar colágeno tipo 2 e proteoglicanos.14

 

O colágeno tipo 2 é predominante na cartilagem, formando uma rede fibrilar tridimensional, essencial para a rigidez e resistência à tração, além de fornecer a arquitetura básica do tecido.16

 

COLÁGENO HIDROLISADO FORTIGEL®: MECANISMO DE AÇÃO

 

•   Ação anabólica: peptídeos derivados do colágeno (ricos em prolina e glicina) são usados para a síntese da matriz;15-17
•   Efeito direto sobre o metabolismo ósseo;18,19 
•   Ação sobre o sistema vascular: reduz pressão arterial.20 

 

EFICÁCIA CLÍNICA DO COLÁGENO HIDROLISADO FORTIGEL®

 

•   Dor: redução significativa da dor;14,21-23
•   Incapacidade: redução importante da incapacidade;14,21,22 
•   Condroproteção: alteração funcional significativa dos joelhos, corroborando seu efeito de incremento da síntese de proteoglicanos.14 

 

DADOS DE SEGURANÇA DO COLÁGENO HIDROLISADO FORTIGEL®

 

O colágeno hidrolisado é bem tolerado, sendo uma terapêutica segura no manejo da OA.24 

 

CONCLUSÃO

 

O CH FORTIGEL® promove redução significativa e clinicamente relevante da dor em pacientes com OA, além de melhora da incapacidade funcional.17 

 

Com perfil de segurança e tolerabilidade muito favorável, o CH FORTIGEL® reduz o consumo de analgésicos e anti-inflamatórios não hormonais e pode ter efeito condroprotetor por produzir alteração estrutural com incremento na síntese de proteoglicanos.10,14,16

-/media/Sanofi/Conecta/Artigos/2020/05/osteoartrite-tratamento-sintomatico-e-condroprotetor/mobility---menor-(1).ashx?w=248&hash=867E84F3F81586578538E79888FE566C
SABR.GOFLC.20.03.0345

REFERÊNCIAS

  1. Martel-Pelletier J, Wildi LM, Pelletier JP.

    Future therapeutics for osteoarthritis.

    Bone. 2012;51(2):297-311.

  2. Martel-Pelletier J, Barr AJ, Cicuttini FM, Conaghan PG, Cooper C, Goldring MB, et al.

    Osteoarthritis.

    Nat Rev Dis Primers. 2016;2:16072.

  3. Hunter DJ, Bierma-Zeinstra S.

    Osteoarthritis.

    Lancet. 2019;393(10182):1745-59.

  4. Loures FB, Carrara RJ, Góes RFA, Albuquerque RSP, Barretto JM, Kinder A, et al.

    Estudo antropométrico do joelho em portadores de osteoartrite: comparação da mensuração intraoperatória e por ressonância magnética.

    Radiol Bras. 2017;50(3):170-5.

  5. Sellam J, Berenbaum F.

    Is osteoarthritis a metabolic disease?

    Joint Bone Spine. 2013;80(6):568-73.

  6. Palazzo C, Nguyen C, Lefevre-Colau MM, Rannou F, Poiraudeau S.

    Risk factors and burden of osteoarthritis.

    Ann Phys Rehabil Med. 2016;59(3):134-8.

  7. Yusuf E, Nelissen RG, Ioan-Facsinay A, Stojanovic-Susulic V, DeGroot J, van Osch G, et al.

    Association between weight or body mass index and hand osteoarthritis: a systematic review.

    Ann Rheum Dis. 2010;69(4):761-5.

  8. Valdes AM, Spector TD.

    Genetic epidemiology of hip and knee osteoarthritis.

    Nat Rev Rheumatol. 2011;7(1):23-32.

  9. Tsezou A.

    Osteoarthritis year in review 2014: genetics and genomics.

    Osteoarthritis Cartilage. 2014;22(12):2017-24.

  10. Bello AE, Oesser S.

    Collagen hydrolysate for the treatment of osteoarthritis and other joint disorders: a review of the literature.

    Curr Med Res Opin. 2006;22(11):2221-32.

  11. Guan VX, Mobasheri A, Probst YC.

    A systematic review of osteoarthritis prevention and management with dietary phytochemicals from foods.

    Maturitas. 2019;122:35-43.

  12. Berenbaum F.

    Osteoarthritis as an inflammatory disease (osteoarthritis is not osteoarthrosis!).

    Osteoarthritis Cartilage. 2013;21(1):16-21.

  13. Qvist P, Bay-Jensen AC, Christiansen C, Dam EB, Pastoureau P, Karsdal MA.

    The disease modifying osteoarthritis drug (DMOAD): Is it in the horizon?

    Pharmacol Res. 2008;58(1):1-7.

  14. McAlindon TE, Nuite M, Krishnan N, Ruthazer R, Price LL, Burstein D, et al.

    Change in knee osteoarthritis cartilage detected by delayed gadolinium enhanced magnetic resonance imaging following treatment with collagen hydrolysate: a pilot randomized controlled trial.

    Osteoarthritis Cartilage. 2011;19(4):399-405.

  15. Oesser S, Adam M, Babel W, Seifert J.

    Oral administration of (14)C labeled gelatin hydrolysate leads to an accumulation of radioactivity in cartilage of mice (C57/BL).

    J Nutr. 1999;129(10):1891-5.

  16. Oesser S, Seifert J

    Stimulation of type II collagen biosynthesis and secretion in bovine chondrocytes cultured with degraded collagen.

    Cell Tissue Res. 2003;311(3):393-9.

  17. Van Vijven JP, Luijsterburg PA, Verhagen AP, van Osch GJ, Kloppenburg M, Bierma-Zeinstra SM.

    Symptomatic and chondroprotective treatment with collagen derivatives in osteoarthritis: a systematic review.

    steoarthritis Cartilage. 2012;20(8):809-21.

  18. Koyama Y, Hirota A, Mori H, Takahara H, Kuwaba K, Kusubata M, et al.

    Ingestion of gelatin has differential effect on bone mineral density and body weight in protein undernutrition.

    J Nutr Sci Vitaminol (Tokyo). 2001;47(1):84-6.

  19. Bailey AJ, Mansell JP.

    Do subchondral bone changes exacerbate or precede articular cartilage destruction in osteoarthritis of the elderly?

    Gerontology. 1997;43(5):296-304.

  20. Saiga-Egusa A, Iwai K, Hayakawa T, Takahata Y, Morimatsu F.

    Antihypertensive effects and endothelial progenitor cell activation by intake of chicken collagen hydrolysate in pre- and mild-hypertension.

    Biosci Biotechnol Biochem. 2009;73(2):422-4.

  21. Benito-Ruiz P, Camacho-Zambrano MM, Carrillo-Arcentales JN, Mestanza-Peralta MA, Vallejo-Flores CA, Vargas-López SV, et al.

    A randomized controlled trial on the efficacy and safety of a food ingredient, collagen hydrolysate, for improving joint comfort.

    Int J Food Sci Nutr. 2009;60 Suppl 2:99-113.

  22. Moskowitz RW.

    Role of collagen hydrolysate in bone and joint disease.

    Semin Arthritis Rheum. 2000;30(2):87-99.

  23. Trč T, Bohmová J.

    Efficacy and tolerance of enzymatic hydrolysed collagen (EHC) vs. glucosamine sulphate (GS) in the treatment of knee osteoarthritis (KOA).

    Int Orthop. 2011;35(3):341-8.

  24. Liu X, Machado GC, Eyles JP, Ravi V, Hunter DJ.

    Dietary supplements for treating osteoarthritis: a systematic review and meta-analysis.

    Br J Sports Med. 2018;52(3):167-75.