A disfunção tiroidiana e o diabetes são duas das endocrinopatias mais comuns e muitas vezes podem estar associadas.1

 

Os hormônios tireoidianos atuam sobre o metabolismo da glicose por vários mecanismos, como alteração dos níveis de insulina e de seus hormônios contra reguladores e, também, ação sobre a gliconeogênese hepática e sobre a captação de glicose pelos tecidos adiposo e muscular.1 Além disso, o hipotireoidismo pode contribuir para o aumento da resistência insulínica no diabetes.1 Dessa forma, a reposição com a levotiroxina pode melhorar a ação da insulina e os parâmetros metabólicos em pacientes com hipotireoidismo e diabetes.2

 

O hipotireoidismo pode estar associado tanto ao diabetes tipo 1 quanto ao diabetes tipo 2. A tireoidite de Hashimoto, especificamente, pode estar associada ao diabetes tipo 1, pois as duas doenças são autoimunes que podem coexistir em um mesmo paciente.1

 

Um estudo norte-americano demonstrou que cerca de 33% dos pacientes com diabetes tipo 1 apresentavam disfunção tireoidiana, sendo hipotireoidismo a causa mais comum. O hipotireoidismo pode aumentar o risco de hipoglicemia nos pacientes com diabetes tipo 1 e a reposição com levotiroxina pode reduzir as oscilações glicêmicas. Assim, recomenda-se que os pacientes com diabetes tipo 1, particularmente aqueles com anticorpos antitireoidianos positivos, tenham o TSH dosado rotineiramente.3

 
No entanto, o hipotireoidismo também pode estar relacionado ao diabetes tipo 2. Em estudos epidemiológicos, a prevalência de hipotireoidismo primário e diabetes tipo 2 está entre 11% a 20%;4,5 no caso do hipotireoidismo subclínico, a prevalência no diabetes tipo 2 é de 10,2%, sendo maior quando comparada aos pacientes não diabéticos.6 É importante ressaltar que pacientes com hipotireoidismo subclínico e diabetes apresentam maior risco para complicações crônicas do diabetes.6
 

A disfunção tiroidiana e o diabetes são duas das endocrinopatias mais comuns e muitas vezes podem estar associadas.1

Outro dado interessante é que a metformina pode influenciar na redução dos níveis de TSH e, por isso, deve-se estar atento à possível necessidade de ajuste da levotiroxina em pacientes com hipotireoidismo e diabetes em uso de metformina.4

 

Enfim, tanto hipotireoidismo clínico quanto o subclínico associados ao diabetes tipo 2 podem contribuir para piora do controle metabólico e agravar o risco cardiovascular desses pacientes. Consequentemente, a avaliação do TSH e o ajuste fino da dose de levotiroxina em pacientes com hipotireoidismo e diabetes tipo 2 é muito importante.1

 

Em conclusão, recomenda-se a análise da função tireoidiana nos pacientes com diabetes tipo 1 e 2. O hipotireoidismo e o diabetes devem ser tratados em conjunto, inclusive com ajuste fino da dose de levotiroxina para que ocorra o melhor controle metabólico e hormonal.1

 

REFERÊNCIAS

  1. Duntas LH, Orgiazzi J, Brabant G.

    The interface between thyroid and diabetes mellitus.

    Clin Endocrinol (Oxf). 2011;75(1):1‐9.

  2. Stanická S, Vondra K, Pelikánová T, Vlcek P, Hill M, Zamrazil V.

    Insulin sensitivity and counter-regulatory hormones in hypothyroidism and during thyroid hormone replacement therapy.

    Clin Chem Lab Med. 2005;43(7):715‐720.

  3. Umpierrez GE, Latif KA, Murphy MB, Lambeth HC, Stentz F, Bush A, et al.

    Thyroid dysfunction in patients with type 1 diabetes: a longitudinal study.

    Diabetes Care. 2003;26(4):1181‐1185.

  4. Distiller LA, Polakow ES, Joffe BI.

    Type 2 diabetes mellitus and hypothyroidism: the possible influence of metformin therapy.

    Diabet Med. 2014;31(2):172‐175.

  5. Joffe BI, Distiller LA.

    Diabetes mellitus and hypothyroidism: Strange bedfellows or mutual companions?.

    World J Diabetes. 2014;5(6):901‐904.

  6. Han C, He X, Xia X, Li Y, Shi X, Shan Z, et al.

    Subclinical Hypothyroidism and Type 2 Diabetes: A Systematic Review and Meta-Analysis.

    PLoS One. 2015;10(8):e0135233.