A ativação exacerbada da via inflamatória tipo 2 resulta em diferentes doenças alérgicas com base no tecido afetado.1 (Figura 1)

Frequentemente, pacientes com o perfil inflamatório tipo 2 exacerbado são acometidos por mais de uma doença, também denominadas comorbidades.1  

Asma e Inflamação Tipo 2

A asma grave não controlada pode estar associada a múltiplas comorbidades mediadas pela inflamação tipo 2, como:1-8
  • Rinite alérgica;
  • Rinossinusite crônica com pólipos nasais (RSNcPN);
  • Dermatite atópica.
-/media/Sanofi/Conecta/Artigos/2020/07/doencas-relacionadas-a-inflamacao-tipo-2/A1_F1_inflamacao_tipo_2n.ashx?w=1920&hash=64809A8068BBF12B3B82FC6DFF25ED19
É importante compreender os mecanismos da asma para alcançar melhor controle da doença. Na prática clínica, os pacientes são avaliados de acordo com medidas de controle, biomarcadores quantificáveis e características dos pacientes, como alergias e comorbidades.1,5

Pólipo Nasal/Rinite Alérgica e Inflamação Tipo 2


A avaliação de sintomas sugestivos de pólipos nasais e rinite alérgica nos pacientes com asma grave é imprescindível, como mostra um registro italiano que constatou que 60% dos pacientes com asma grave tinham diagnóstico de rinite alérgica,1,5 enquanto cerca de 30% a 45% dos pacientes com asma grave apresentam pólipos nasais.7,9,10 Também se constatou que 62% dos pacientes que utilizaram corticoides orais apresentavam contagem de eosinófilos elevadas.

As comorbidades da via aérea superior podem sinalizar inflamação tipo 2 na via aérea inferior.1,5-8 (Figura 2)
-/media/Sanofi/Conecta/Artigos/2020/07/doencas-relacionadas-a-inflamacao-tipo-2/A1_F2_inflamacao_tipo_2.ashx?w=1097&hash=C0E9E68543359A543B49D92AE662EF9A
Dermatite Atópica e Inflamação Tipo 2

Na dermatite atópica, evidências de inflamação tipo 2 são encontradas sistemicamente e em lesões cutâneas agudas e crônicas, independentemente da classificação extrínseca ou intrínseca. A maioria (80%) dos pacientes com dermatite atópica é geralmente classificada como portadora de doença extrínseca (alérgica) com base na detecção de altos níveis séricos de IgE.1,3
 
As respostas mediadas por Th2 na inflamação tipo 2 são importantes tanto na asma quanto na dermatite atópica, duas doenças crônicas de alta prevalência e com manifestações em diferentes tecidos, no pulmão e na pele, respectivamente.1,5 

A asma grave não controlada pode estar associada a múltiplas comorbidades mediadas pela inflamação tipo 2.1-8


Mecanismos 


Mecanismos inflamatórios atuam em todos os componentes com uma interação entre várias células e mediadores. O tipo de antígeno, em combinação com fatores ambientais e genéticos, influencia a liberação de uma variedade de citocinas que resultam no início ou na propagação de processos inflamatórios tipo 2 por meio de células linfoides inatas tipo 2 (ILC2) e linfócitos T helper 2 (Th2).1-8

As células Th2 estão ativadas de forma exacerbada em reações alérgicas, levando a alergia, eosinofilia e liberação de anticorpos IgE.1,5-8

A interleucina 4 (IL-4) direciona a diferenciação de células T helper virgem (Th0) em células Th2, e a produção adicional de citocinas IL-4, IL-5 e IL-13. Biomarcadores da ativação da via tipo 2 incluem a produção de imunoglobulina E (IgE) e eosinofilia. As IL-4 e IL-13 são responsáveis pela troca da classe de isótipo das células B para produzir IgE. A IL-13 está relacionada a efeitos nos tecidos, como aumento da secreção de muco, contratilidade do músculo liso e hiperplasia. A IL-5 induz a diferenciação de eosinófilos na medula óssea e ativação destes no tecido, enquanto a IL-4, IL-5 e IL-13 desempenham papel no tráfego de eosinófilos do sangue para os tecidos.1,5 (Figura 3)
-/media/Sanofi/Conecta/Artigos/2020/07/doencas-relacionadas-a-inflamacao-tipo-2/A1_F3_inflamacao_tipo_2.ashx?w=1920&hash=A1C6FCFBF817388B3371575B9738E9A4
Além da asma, dermatite atópica, pólipo nasal e rinite alérgica, diversas outras doenças com etiologias menos claras compartilham o mecanismo inflamatório tipo 2.

A identificação adequada de biomarcadores da inflamação  tipo 2 (eosinófilos, IgE e FeNO) é imprescindível para o tratamento personalizado dessas doenças.11
 

REFERÊNCIAS

  1. Gandhi NA, Bennett BL, Graham NM, Pirozzi G, Stahl N, Yancopoulos GD.

    Targeting key proximal drivers of type 2 inflammation in disease.

    Nat Rev Drug Discov. 2016 Jan;15(1):35-50.

  2. Global strategy for asthma management and prevention: GINA executive summary.

    E.D. Bateman, S.S. Hurd, P.J. Barnes, J. Bousquet, J.M. Drazen, J.M. FitzGerald, P. Gibson, K. Ohta, P. O’Byrne, S.E. Pedersen, E. Pizzichini, S.D. Sullivan, S.E. Wenzel and H.J. Zar. Eur Respir J. 2018 Jan 31;51(2). pii: 0751387.

  3. Matsusaka M, Kabata H, Fukunaga K, Suzuki Y, Masaki K, Mochimaru T, et al.

    Phenotype of asthma related with high serum periostin levels.

    Allergol Int. 2015 Apr;64(2):175-80.

  4. Price D, Zhang Q, Kocevar VS, Yin DD, Thomas M.

    Effect of a concomitant diagnosis of allergic rhinitis on asthma-related health care use by adults.

    Clin Exp Allergy. 2005 Mar;35(3):282-7.

  5. Canonica GW, Diamant Z, Dahlén SE.

    Type 2 Inflammation and the Evolving Profile of Uncontrolled Persistent Asthma.

    EMJ. 2018;3(4):24-33.

  6. Eichenfield LF, Hanifin JM, Beck LA, Lemanske RF Jr, Sampson HA, Weiss ST, et al.

    Atopic dermatitis and asthma: parallels in the evolution of treatment.

    Pediatrics. 2003 Mar;111(3):608-16.

  7. Shaw DE, Sousa AR, Fowler SJ, Fleming LJ, Roberts G, Corfield J, et al.; U-BIOPRED Study Group.

    Clinical and inflammatory characteristics of the European U-BIOPRED adult severe asthma cohort.

    Eur Respir J. 2015 Nov;46(5):1308-21.

  8. Schleich F, Brusselle G, Louis R, Vandenplas O, Michils A, Pilette C, et al.

    Heterogeneity of phenotypes in severe asthmatics.

    The Belgian Severe Asthma Registry (BSAR). Respir Med. 2014 Dec;108(12):1723-32.

  9. Maio S, Baldacci S, Bresciani M, Simoni M, Latorre M, Murgia N, et al.; AGAVE group.

    RItA: The Italian severe/uncontrolled asthma registry.

    Allergy. 2018 Mar;73(3):683-95.

  10. Heffler E, Blasi F, Latorre M, Menzella F, Paggiaro P, Pelaia G, et al.

    The Severe Asthma Network in Italy: Findings and Perspectives.

    J Allergy Clin Immunol Pract. 2019 May - Jun;7(5):1462-68.

  11. Global Initiative for Asthma.

    Difficult-to-treat & severe asthma in adolescent and adult patients, 2019.

    Disponível em: https://ginasthma.org/wp-content/uploads/2019/04/GINA-Severe-asthma-Pocket-Guide-v2.0-wms-1.pdf. Acesso em: 05 fev. 2020.