INTRODUÇÃO
Helicobacter pylori é uma bactéria Gram-negativa que habita o ambiente gástrico de mais da metade da população mundial, especialmente nos países em desenvolvimento, onde sua prevalência é estimada em cerca de 80%.1,2 (Figura 1)
-/media/Sanofi/Conecta/Artigos/2020/07/mini-atlas-hpylori/12311_f1_meio_artigo_850x1051_JUL.ashx?w=850&hash=FDDFF7415BA36C7969FB61968BFCD070

A prevalência de H. pylori varia de acordo com diferentes fatores, como:1
  • Idade
  • Área geográfica
  • Condição de vida
  • Situação socioeconômica

É importante destacar que o incremento das condições socioeconômicas e a melhoria das condições de vida são fatores que influenciam bastante na redução da prevalência da infecção por H. pylori.1


A transmissão oral-oral parece ser a principal via de transmissão do H. pylori, também sendo possível a infecção via fecal-oral.1

PATOGÊNESE
A colonização bem-sucedida da H. pylori no ambiente gástrico hostil requer mecanismos especiais.3 

Primeiramente, a H. pylori usa sua motilidade flagelar para nadar no conteúdo gástrico, o que permite que a bactéria entre na camada de muco gástrico.3

Respostas imunológicas complexas do hospedeiro, adotando mecanismos inatos e adaptativos, são induzidas pela infecção por H. pylori.1 A patogênese da infecção está na figura 2.

MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

Embora a maioria dos indivíduos positivos para H. pylori seja assintomática, a infecção por H. pylori leva à gastrite crônica, que pode evoluir para úlceras pépticas ou para o desenvolvimento de lesões pré-neoplásicas (metaplasia intestinal, displasia) e adenocarcinoma.2 (Figura 3) 
-/media/Sanofi/Conecta/Artigos/2020/07/mini-atlas-hpylori/12311_f3_meio_artigo_850x614_JUL.ashx?w=850&hash=527D01E894093B3753A3ADBD0A1B0D96

A história natural da infecção está na figura 4.3

DIAGNÓSTICO
A infecção por H. pylori pode ser confirmada por métodos:2

INVASIVOS
  • Biópsias gástricas obtidas durante uma endoscopia (histologia, cultura, reação em cadeia da polimerase, teste rápido de urease)
NÃO INVASIVOS
  • Teste de antígeno fecal;
  • Teste respiratório de ureia;
  • Sorologia.

TRATAMENTO

Todos os tratamentos têm como objetivo melhorar a sintomatologia e cicatrizar a mucosa danificada pela infecção.1 
TRATAMENTO PADRÃO
O tratamento padrão é a terapia tripla com inibidores da bomba de prótons (IBP), claritromicina (500 mg) e amoxicilina (1 g) como esquema de primeira linha para erradicar a H. pylori.1 A duração das terapias de erradicação da H. pylori deve ser de 14 dias, especialmente para a terapia tripla padrão, para atingir altas taxas de erradicação.4

RETRATAMENTO
Nos casos de falha da terapia tripla com claritromicina ou terapia quádrupla concomitante, as estratégias recomendadas são terapia tripla com levofloxacina ou terapia quádrupla com bismuto, ambas por 10 a 14 dias. 

Nos casos de falha de um dos dois esquemas de segunda linha recomendados, outro regime deve ser usado como terapia de terceira linha.4
 
O IV Consenso Brasileiro sobre Infecção por Helicobacter pylori recomenda:4
  • Apesar das crescentes taxas de resistência a claritromicina e fluoroquinolonas no Brasil, o uso destas ainda é recomendado no tratamento da H. pylori

A duração dos tratamentos para erradicação da H. pylori deve ser de 14 dias para atingir altas taxas de erradicação, especialmente com a terapia tripla padrão (IBP + claritromicina + amoxicilina).

 

REFERÊNCIAS

  1. de Brito BB, da Silva FAF, Soares AS, Pereira VA, Santos MLC, Sampaio MM, et al.

    Pathogenesis and clinical management of Helicobacter pylori gastric infection.

    World J Gastroenterol. 2019 Oct 7;25(37):5578-89.

  2. Kotilea K, Bontems P, Touati E.

    Epidemiology, Diagnosis and Risk Factors of Helicobacter pylori Infection.

    Adv Exp Med Biol. 2019;1149:17-33.

  3. Suerbaum S, Michetti P.

    Helicobacter pylori infection.

    N Engl J Med. 2002 Oct 10;347(15):1175-86.

  4. Coelho LGV, Marinho JR, Genta R, Ribeiro LT, Passos MCF, Zaterka S, et al.

    IVTH Brazilian Consensus Conference on Helicobacter pylori infection.

    Arq Gastroenterol. 2018 Apr-Jun;55(2):97-121.