As mucopolissacaridoses (MPS) constituem um grupo de doenças de depósito lisossômico causadas pela deficiência da atividade de enzimas lisossômicas que catalisam a degradação de glicosaminoglicanos (GAG).1 O grupo das MPS compreende 7 doenças diferentes causadas pela deficiência da atividade de 11 enzimas que catalisam uma etapa específica do processo de degradação de GAG.1

Os GAG parcialmente degradados se acumulam nas células, o que resulta em dano celular e tecidual.2,3 As manifestações clínicas das MPS são heterogêneas e evidentes em quase todos os órgãos e tecidos e causam morbidade significativa e mortalidade precoce nas formas graves da doença.3 

O tratamento específico através da terapia de reposição enzimática (TRE) está atualmente disponível para as MPS I, II, IVA, VI e VII.4-8 Os benefícios da TRE incluem melhora da mobilidade articular, da capacidade de deambulação e da função pulmonar, diminuição dos volumes do fígado e do baço e redução da excreção urinária de GAG – tudo isso com perfis de segurança e tolerabilidade bastante adequados.4-8 

Entretanto, a TRE apresenta algumas limitações.2,9 Como não ultrapassa a barreira hematoencefálica, ela não oferece benefício direto ao sistema nervoso central.2,9 O transplante de células-tronco hematopoiéticas é o tratamento de escolha para os pacientes com a forma grave da MPS I, quando realizado até os 2,5 anos de idade e antes que haja comprometimento neurológico grave.10 A TRE também não é capaz de corrigir nem de normalizar a doença somática já instalada; no entanto, resulta em melhora de algumas manifestações da doença, com estabilização ou lentificação de sua progressão.

Devido à natureza progressiva das MPS, recomenda-se que a TRE seja iniciada logo após o diagnóstico, de preferência antes do surgimento das primeiras manifestações clínicas da doença.3 Estudos realizados com material de aborto e placenta de fetos com MPS demonstram que o depósito de GAG tem início ainda no período pré-natal.11-14

Relatos de casos em irmãos mostram resultados bem melhores quando o tratamento é iniciado precocemente.15 Dois irmãos com MPS I, uma menina com diagnóstico aos 4,5 anos de idade e um menino com diagnóstico aos 3 dias de vida, que iniciou a TRE aos 5 meses, foram comparados.15 Após 5 anos de TRE, o menino não apresentava face infiltrada, rigidez articular, organomegalia, doença valvar cardíaca nem alterações esqueléticas, e sim somente leve opacidade de córnea.15 A irmã mais velha, aos 4 anos de idade já apresentava rigidez articular, face infiltrada, opacidade de córnea, hepatosplenomegalia, insuficiência mitral moderada com folhetos valvares espessados e prolapso anterior, leve espessamento atrial esquerdo, disostose múltipla e hidrocefalia obstrutiva com necessidade de derivação.15 (Figura 1)
-/media/Sanofi/Conecta/Artigos/2020/07/o-tratamento-precoce-das-mucopolissacaridoses/13042Figura-01Impacto-do-tratamento-precoce-foco-na-crianapng.ashx?w=945&hash=5C058103C72CC22AE62A3E0314C33384
Caso semelhante foi publicado sobre outros dois irmãos com MPS VI, comparando-se suas condições clínicas aos 3,6 anos de idade.16 A irmã mais velha ainda não havia recebido TRE com essa idade, enquanto o irmão mais novo, com diagnóstico no período pré-natal, iniciou a TRE com 8 semanas de vida.16 Aos 3,6 anos, a irmã apresentava escoliose importante, baixa estatura, restrição articular moderada na maioria das articulações, mãos em garra, insuficiência mitral moderada, hepatomegalia e face infiltrada.16 Com a mesma idade, após 182 semanas de TRE, o irmão mais novo não apresentava escoliose, tinha estatura normal, leve restrição articular somente em ombros, além de mãos, função cardíaca, tamanho de fígado e face normais.16 (Figura 2)
-/media/Sanofi/Conecta/Artigos/2020/07/o-tratamento-precoce-das-mucopolissacaridoses/13042Figura-02Impacto-do-tratamento-precoce-foco-na-crianapng.ashx?w=946&hash=739D25C2AB2BABC62CE492598E970410
A importância do tratamento precoce fica demonstrada nesses relatos de caso de irmãos com MPS.15,16 Como são portadores da mesma mutação, seria esperado que os irmãos apresentassem as mesmas manifestações clínicas; entretanto a TRE precoce demonstrou melhores desfechos clínicos e foi muito mais eficaz em prevenir do que em corrigir manifestações já instaladas da doença.15,16 Assim, faz-se premente o reconhecimento dos sinais e sintomas das MPS para que o diagnóstico seja feito o mais cedo possível e o tratamento iniciado o quanto antes.

REFERÊNCIAS

  1. Neufeld EF, Muenzer J.

    The mucopolysaccharidosis.

    In: Scriver CR, Beaudet AL, Sly WS, Valle D, Childs B, Kinzler K, et al. The metabolic and molecular bases of inherited diseases. 8th ed. New York: McGraw-Hill; 2001. p. 3421-52.

  2. Muenzer J, Wraith JE, Clarke LA; International Consensus Panel on Management and Treatment of Mucopolysaccharidosis I.

    Mucopolysaccharidosis I: management and treatment guidelines.

    Pediatr. 2009;123(1):19-29.

  3. Muenzer J.

    Early initiation of enzyme replacement therapy for the mucopolysaccharidoses.

    Mol Genet Metab. 2014;111(2):63-72.

  4. Wraith JE, Clarke LA, Beck M, Kolodny EH, Pastores GM, Muenzer J, et al.

    Enzyme replacement therapy for mucopolysaccharidosis I: a randomized, double-blinded, placebo-controlled, multinational study of recombinant human alpha-L-iduronidase (laronidase).

    J Pediatr. 2004;144(5):581-8.

  5. Harmatz P, Giugliani R, Schwartz I, Guffon N, Teles EL, Miranda MC, et al.; MPS VI Phase 3 Study Group.

    Enzyme replacement therapy for mucopolysaccharidosis VI: a phase 3, randomized, double-blind, placebo-controlled, multinational study of recombinant human N-acetylgalactosamine 4-sulfatase (recombinant human arylsulfatase B or rhASB) and follow-on, open-label extension study.

    J Pediatr. 2006;148(4):533-9.

  6. Muenzer J, Wraith JE, Beck M, Beck M, Giugliani R, Harmatz P, et al.

    A phase II/III clinical study of enzyme replacement therapy with idursulfase in mucopolysaccharidosis II (Hunter syndrome).

    Genet Med. 2006;8(8):465-73.

  7. Hendriksz CJ, Burton B, Fleming TR, Harmatz P, Hughes D, Jones SA, et al.

    Efficacy and safety of enzyme replacement therapy with BMN110 (elosulfase alfa) for Morquio A syndrome (mucopolysaccharidosis IVA): a phase 3 randomized placebo-controlled study.

    J Inherit Metab Dis. 2014;37(6):979-90.

  8. Harmatz P, Whitley CB, Wang RY, Bauer M, Song W, Haller C, et al.

    A novel Blind Start study design to investigate vestronidase alfa for mucopolysaccharidosis VII, an ultra-rare genetic disease. Mol Genet Metab.

    2018;123(4):488-94.

  9. Taylor M, Khan S, Stapleton M, Wang J, Chen J, Wynn R, et al.

    Hematopoietic stem cell transplantation for mucopolysaccharidoses: past, present, and future.

    Biol Blood Marrow Transplant. 2019;25(7):e226-46.

  10. Ru MH, Boelens JJ, Das AM, Jones AS, van der Lee JH, Mahlaoui N, et al.

    Enzyme replacement therapy and/or hematopoietic stem cell transplantation at diagnosis in patients with mucopolysaccharidosis type I: results of a European consensus procedure.

    Orphanet J Rare Dis. 2011;6:55.

  11. Wiesmann UN, Spycher MA, Meier C, Liebaers I, Herschkowitz N.

    Prenatal mucopolysaccharidosis II (Hunter): a pathogenetic study.

    Pediatr Res. 1980;14(5):749-56.

  12. Beck M, Braun S, Coerdt W, Merz E, Young E, Sewell AC.

    Fetal presentation of Morquio disease type A.

    Prenat Diagn. 1992;12(12):1019-29.

  13. Wiesmann UN, Spycher MA, Meier C, Liebaers I, Herschkowitz N.

    Prenatal mucopolysaccharidosis II (Hunter): a pathogenetic study.

    Pediatr Res. 1980;14(5):749‐56.

  14. Baldo G, Matte U, Artigalas O, Schwartz IV, Burin MG, Ribeiro E, et al.

    Placenta analysis of prenatally diagnosed patients reveals early GAG storage in mucopolysaccharidoses II and VI.

    Mol Genet Metab. 2011;103(2):197-8.

  15. Gabrielli O, Clarke LA, Bruni S, Coppa GV.

    Enzyme-replacement therapy in a 5-month-old boy with attenuated pre-symptomatic MPS I: 5-year follow-up.

    Pediatrics. 2010;125(1):e183-7.

  16. McGill JJ, Inwood AC, Coman DJ, Lipke ML, Lore D, Swiedler SJ, et al.

    Enzyme replacement therapy for mucopolysaccharidosis VI from 8 weeks of age − a sibling control study.

    Clin. Genet. 2010;77(5):492-8.