As clínicas ortopédicas devem se preparar para o retorno ao atendimento ambulatorial de seus pacientes, buscando segurança dos funcionários, médicos colaboradores e pacientes. Algumas alterações são necessárias estrutural e funcionalmente:

 

- Modificação e rodízio das atendentes, evitando exposição dos funcionários;1-3
- Aumento e melhoria do processo de limpeza da clínica;2-4
- Disponibilidade de dispenser de álcool em gel por toda a clínica;4
- Colocação de spray de álcool 70% em todos os consultórios e treinamento da equipe médica de realização de higienização dos locais dos pacientes entre as consultas;3,4
- Treinamento de higienização padrão de mãos e antebraços entre consultas médicas por médicos e atendentes.1-4
- Modificação de horários de atendimento, evitando aglomeração de pacientes e encaixes entre consultas;3,4
- Modificação da vestimenta dos funcionários e médicos colaboradores para facilitar a higiene e melhorar a proteção;4
- Atendimento com uso de máscaras N95 e protetor facial (face shield), entregues pela clínica, buscando proteção de todos os envolvidos no atendimento médico e pacientes;2,4
- Limpeza de todos os materiais manuseados pelos funcionários;2-5
- Escalonamento da hora de almoço, buscando evitar aglomeração.1-3
- Escalonamento de entrada e saída de funcionários;1-3
- Evitar ao máximo contato físico dos funcionários junto aos pacientes.1-5

 

As boas práticas no atendimento médico realizado em consultório, junto ao paciente, iniciam desde a marcação da consulta médica, em que a atendente já investiga se o paciente apresenta algum sintoma relacionado com a COVID e informa nossa preocupação.2-4


Após o agendamento, o paciente recebe, via WhatsApp, informações pertinentes sobre cuidados que devam ser respeitados no consultório médico como comunicar caso apresente algum sintoma gripal ou contato com pessoas com sintomas, explicar sobre a obrigatoriedade e maneira correta do uso de máscaras no ambiente do consultório, comunicar a necessidade de chegar no horário da consulta, evitar a presença de acompanhante (na necessidade, não é proibido), orientar sobre a higiene de mãos e antebraços e confirmar o agendamento 24h antes da consulta.2-4

As boas práticas no atendimento médico realizado em consultório, junto ao paciente, iniciam desde a marcação da consulta médica, em que a atendente já investiga se o paciente apresenta algum sintoma relacionado com a COVID e informa nossa preocupação.2-4

REFERÊNCIAS

  1. Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) Brasil.

    Folha Informativa – Covid-19 (doença causada pelo novo coronavírus).

    Atualizado em: junho de 2020. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6101:covid19&Itemid=875. Acesso em: 23 jun. 2020.

  2. Udwadia ZF, Raju RS.

    How to protect the protectors: 10 lessons to learn for doctors fighting the COVID-19 coronavirus

    [published online ahead of print, 2020 Mar 31]. Med J Armed Forces India. 2020;76(2):128-31.

  3. Kapoor KM, Chatrath V, Boxley SG, et al.

    COVID-19 Pandemic: Consensus guidelines for preferred practices in an aesthetic clinic

    [published online ahead of print, 2020 May 16]. Dermatol Ther. 2020;e13597.

  4. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

    NOTA TÉCNICA GVIMS/GGTES/ANVISA Nº 04/2020.

    Atualizado em: maio de 2020. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33852/271858/Nota+T%C3%A9cnica+n+04-2020+GVIMS-GGTES-ANVISA/ab598660-3de4-4f14-8e6f-b9341c196b28. Acesso em: 23 jun. 2020.

  5. Conselho Federal de Medicina (CFM).

    Combate à COVID-19. Orientações Gerais ao Trabalho dos Médicos.

    Atualizado em: março de 2020. Disponível em: https://portal.cfm.org.br/images/comunicadocfmcovid.jpg. Acesso em: 23 jun. 2020.