O COVID-19 é uma infecção viral causada pelo vírus SARS-COV-2, que tem duração média de 14 dias e cujos sintomas do quadro clínico mais comum são febre, tosse, dores no corpo e fadiga, podendo evoluir para quadros mais graves, com o acometimento pulmonar, e até a óbito.

Até o final do mês de junho, a pandemia já atingiu mais de 5 milhões de pessoas no mundo, das quais 80% se mantem assintomáticas mesmo infectadas, podendo transmitir o vírus inconscientemente. Os demais pacientes são sintomáticos e sua maioria apresenta apenas os sintomas do quadro clínico mais comum e leve. Porém, desse total de infectados sintomáticos, 14% acaba apresentando, além dos sintomas comuns, dispneia e dificuldades respiratórias (hipóxia), necessitando de hospitalização; 5% acaba chegando a quadros mais graves da doença, com necessidade de sedação e intubação.

A Mortalidade da doença para a população geral é de 2,3% , ao se avaliar os dados é possível inferir que o grupo de pacientes mais afetado com o estágio grave da doença, ou o óbito, são os idosos acima de 80 anos (14,8%), os pacientes com doenças cardiovasculares (10,5%), os com Diabetes (7,3%) e os com hipertensão (6,3%). Os pacientes com obesidade apresentam de 2 a 3 vezes mais complicações e chances de vir a óbito do que os demais.

Sabe-se que pacientes com DM não tem maior susceptibilidade a se infectar com a doença, mas, é fato que no mundo existem cerca de 460 mil pacientes diabéticos, que são, em sua maioria acometidos pelos fatores considerados de risco para o agravamento da doença, como obesidade, hipertensão, problemas cardiovasculares e renais, além de serem majoritariamente idosos.