O tromboembolismo venoso (TEV) associado à hospitalização representa um problema de saúde pública importante. Nesse sentido, torna-se de grande utilidade o conhecimento das recomendações da Agência de Pesquisa e Qualidade em Cuidados de Saúde (AHRQ, na sigla em inglês).1 A AHRQ é a principal agência federal americana encarregada de melhorar a segurança e a qualidade do sistema de saúde dos EUA e, entre os anos de 2010 a 2013, conseguiu evitar 1,3 milhão de erros, salvou 50 mil vidas e evitou US$ 12 bilhões em gastos desnecessários.2 

Entre as diferentes iniciativas da AHRQ, a prevenção do TEV faz parte desse rol, dadas sua importância e relevância atualmente no sistema de saúde. O TEV é a principal causa de morte prevenível em pacientes hospitalizados.

Esse guia oferece três principais pontos de sucesso para esse processo. O primeiro é ajudar as equipes multidisciplinares a preencherem a lacuna da dificuldade na implementação da forma mais eficaz e eficiente possível. Em segundo lugar, fornecer informações sobre a forma de garantir que as boas práticas sejam postas em prática, superando obstáculos e modos de falha para fornecer uma profilaxia confiável aos pacientes de risco. E, em terceiro lugar, oferecer estratégias testadas e ferramentas para aumentar as chances de sucesso por meio do monitoramento e ajuste das intervenções, garantindo, assim, a mudança desejada.1

O guia está dividido em oito diferentes capítulos:1 

O capítulo 1 traz um mapa e as ferramentas necessárias para proporcionar um início bem-sucedido à equipe com apoio da instituição.

O capítulo 2 ajuda as equipes a entenderem melhor o ambiente e os processos atuais de fornecimento de intervenção. 

Já o capítulo 3 descreve as evidências e as boas práticas aplicadas em hospitais. 

No capítulo 4, você encontrará as principais categorias e características dos modelos de avaliação do risco de TEV.

O capítulo 5 traz orientações para implementar o protocolo de TEV de maneira eficaz e como desenvolver a infraestrutura para monitorar e mensurar esse trabalho.

O capítulo 6 aborda a medição do monitoramento que será essencial para alcançar a meta ideal de TEV e a medicação de prevenção de TEV associada à hospitalização.

No capítulo 7, discute-se a forma de estratificar as intervenções e ajuda a equipe multidisciplinar a abordar todos os modos de falha no processo de prevenção do TEV no que tange aos processos de internação e de transferência hospitalar.

E por fim, no capítulo 8, o foco será o planejamento, a aplicação e a verificação das intervenções. 

Entre as diferentes iniciativas da AHRQ, a prevenção do TEV faz parte desse rol, dadas sua importância e relevância atualmente no sistema de saúde.

Nos próximos vídeos vamos dedicar alguns minutos em cada uma dessas etapas de forma a contribuir nessa jornada de implementação de boas práticas para a prevenção do TEV.