Manejo da paciente em diferentes cenários

A discussão final foi sobre o uso de levotiroxina em diferentes cenários. Tanto os endocrinologistas quanto os ginecologistas não têm dúvidas sobre a necessidade de introduzir levotiroxina para todas as gestantes que apresentam TSH acima de 10 mU/L e T4l baixo. No entanto, persistem controvérsias sobre o manejo de pacientes com hipotireoidismo subclínico. O Dr. Malavasi mostrou as recomendações da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), resumidas nos tópicos abaixo.1
 

Recomendações da Febrasgo para manejo do hipotireoidismo subclínico:
  • O tratamento do hipotireoidismo clínico é recomendado na gravidez. 
  • Gestantes com TSH >2,5 mU/L devem ser avaliadas quanto à presença do anti-TPO. 
  • No hipotireoidismo subclínico, o tratamento com levotiroxina é recomendado para mulheres com anti-TPO e TSH acima de 2,5 mU/L ou mulheres negativas para anti-TPO com TSH acima do limite superior da normalidade. 
  • A hipotiroxinemia isolada não deve ser rotineiramente tratada na gestação. 
  • No tratamento do hipotireoidismo, o TSH deve ser mantido na metade inferior da faixa de normalidade pelas curvas de referência específicas, ou abaixo de 2,5 mU/L. 
Discutindo diferentes cenários de exames tireoidianos, os panelistas concordaram que a presença de anti-TPO positivo estimula o tratamento com levotiroxina, mesmo quando a gestante apresenta valores de TSH pouco acima do valor de 2,5 mU/L, usado como limite de normalidade no primeiro trimestre da gestação.