Introdução

A farmácia é um local muito frequentado pela população1 e o farmacêutico tem um papel bastante relevante na promoção da saúde da nossa sociedade! Ele é o profissional que detém o conhecimento para ajudar a todos por meio de:2
      ● Orientações sobre o uso correto de medicamentos.
      ● Estímulo à aderência aos tratamentos.
      ● Atendimento dos pacientes e colaboração com outras áreas da saúde.
Com isso, o farmacêutico contribui para que a população alcance uma melhor qualidade de vida!2

Vamos ver abaixo como o atendimento nas farmácias pode ajudar a sociedade a ter uma saúde cada vez melhor.
 
1. Prevenção de erros na prescrição de medicamentos
Os farmacêuticos são capazes de identificar prescrições inadequadas e prevenir erros de medicação. Esses erros são reconhecidos como grandes problemas para o sistema de saúde, pois podem contribuir para:2
      ● Eventos adversos. 
      ● Aumento da utilização dos serviços de saúde.
      ● Aumento do tempo nas internações hospitalares. 

Os eventos adversos relacionados aos medicamentos representam um grande problema para os pacientes.5

Uma revisão sistemática de 70 estudos observacionais com 337.025 indivíduos mostrou que:6
      ● Pelo menos 20% dos pacientes são vítimas de danos preveníveis (a maioria relacionada à prescrição de                                     medicamentos).
      ● Quase 12% desses danos resultaram em incapacidade permanente ou morte, que poderiam ser evitadas com serviços             clínicos, como a dispensação e atenção farmacêutica.

Outro estudo com a revisão de 46.626 prontuários de pacientes incluídos em 9 artigos, observou que:5
      ● A prevalência estimada de eventos adversos em pacientes internados foi de 19%.
      ● 32% desses eventos foram avaliados como evitáveis (a maioria por erros de medicação).

2. Dispensação de medicamentos
Durante a dispensação de medicamentos, momento em que os remédios são fornecidos aos pacientes, o farmacêutico tem a oportunidade de escutar, educar e esclarecer as dúvidas sobre o seu uso adequado, evitando assim problemas relacionados à farmacoterapia.3

O fluxograma abaixo apresenta os passos para obter informações que o auxiliam na dispensação correta de medicamentos:3
Figura 1. Fluxograma para auxílio na dispensação de medicamentos.
(Adaptada de Angonesi D, et al. Cien Saude Colet. 2011;16(9):3883-91.)3

3. Auxílio na aderência ao tratamento medicamentoso
A falta de adesão ao tratamento pode levar à:2
      1. Progressão da doença.
      2. Falha terapêutica (não é alcançado o efeito esperado com o tratamento). 
      3. Hospitalização.

Os farmacêuticos podem ter um grande impacto na adesão ao tratamento de doenças por estarem em uma posição única para:2
      ● identificar os pacientes que podem não estar seguindo as orientações médicas,
      ● identificar as razões para a falta de adesão,
      ● intervir no fornecimento de medicamentos,
      ● promover educação e aconselhamento à população.

4. Apoio ao cuidado de doenças crônicas
As doenças crônicas são a principal causa de morte e invalidez em todo o mundo. Como profissionais de saúde da linha de frente, os farmacêuticos estão em contato regular com pacientes acometidos por essas doenças e são treinados para:2
      ● ajudar a prevenir a evolução das doenças no longo prazo,
      ● monitorar a terapia medicamentosa para atingir os efeitos clínicos desejados,
      ● prevenir eventos adversos,
      ● fazer recomendações aos pacientes e prescritores em relação à farmacoterapia.

Além disso, os exames clínicos nas farmácias têm se mostrado eficazes no rastreamento de pacientes de alto risco para o desenvolvimento de certas doenças. Os exames e avaliações podem ser feitos na farmácia não apenas para fins de triagem, mas também para o acompanhamento de doenças crônicas e, desta forma, os farmacêuticos podem monitorar o estado dos pacientes e ajudá-los a melhorar seus resultados clínicos.2

Já em relação à população idosa, que muitas vezes sofre de várias doenças crônicas, os farmacêuticos podem orientar quanto ao uso racional de medicamentos. Essa população comumente faz uso da polifarmácia (= uso de 5 ou mais medicamentos) no seu dia a dia e pode ser afetada pelas suas consequências negativas, especialmente quanto às reações adversas e interações medicamentosas. Nesses casos, além da redução de eventos adversos, as intervenções farmacêuticas ajudam na:7
      ● diminuição do número total de medicamentos tomados, 
      ● diminuição do número de doses diárias (organizando melhor os horários da tomada dos medicamentos),
      ● apoio ao paciente para compreender melhor sobre a medicação e sua condição, o que aumenta seu envolvimento com          a própria saúde e o incentiva a ter mais controle da sua doença.


É importante considerar a otimização da terapia farmacológica e não simplesmente sugerir a redução do número de medicamentos, pois todos os remédios prescritos podem ser necessários e apropriados. Além disso, a otimização do tratamento pode incluir a troca por um outro mais adequado, de forma que o número de medicamentos não diminuirá, mas haverá melhor gerenciamento da polifarmácia.7

5. Vacinação  
Com a Lei nº 13.021 de 2014, as farmácias de qualquer natureza foram autorizadas a dispor de soros e vacinas para atendimento à população.4 Devido à facilidade para os pacientes frequentarem as farmácias próximas, os farmacêuticos podem usar essas visitas como uma oportunidade para mantê-los atualizados sobre as vacinas de rotina.1 

Muitas farmácias já se adaptaram para a prestação de serviços de vacinação e dispõem das condições adequadas. No Brasil, já existem 4.573 unidades com salas de imunização e 6.860 farmacêuticos vacinadores, com capacidade de aplicar mais de 2 milhões de doses por semana, seguindo todas as recomendações de segurança contra a COVID-19.4 Por exemplo, na última campanha contra influenza (em 2020), as farmácias foram postos de vacinação em diversos estados do país, como Minas Gerais e Rio Grande do Sul, e nas cidades de Campo Grande (MS) e São Paulo (SP), ajudando a evitar aglomerações:4 
      ● Em Porto Alegre, um quinto das mais de 700 mil doses da vacina antigripe foram aplicadas por farmacêuticos em                   farmácias privadas. 
      ● Em Campo Grande, mais de 26 mil das 231 mil doses da vacina antigripe foram administradas em farmácias.

Considerações finais

As farmácias estão sempre de portas abertas e o farmacêutico está lá, cuidando e protegendo a saúde da população! Vale sempre a pena lembrar aos pacientes que eles podem recorrer ao farmacêutico quando tiverem qualquer dúvida relacionada ao seu tratamento medicamentoso e para a prevenção, suspeita e monitoramento de doenças.8

Além de tudo isso, o papel desses profissionais tem sido estratégico na pandemia da COVID-19, pois estão envolvidos:4
      ● na pesquisa e desenvolvimento de vacinas e de medicamentos; 
      ● no suporte ao funcionamento de farmácias, mesmo durante o isolamento social;
      ● na realização de mais de 1,4 milhão de testes de COVID-19.

Abaixo há um resumo de como os farmacêuticos podem auxiliar na promoção da saúde da população:8