A influenza é uma doença grave e imprevisível e precisa ser prevenida a cada ano. O impacto da gripe pode ser evidenciado com 3 a 5 milhões de casos graves por ano e com um número de óbito expressivo variando de 290.000 a 650.000 mortes por ano no mundo.

A vacinação contra gripe tem como objetivo imunizar a população contra o vírus causador desta doença. Mas antes de falarmos sobre a imunidade de grupo é necessário entendermos o que significa imunidade. Imunidade é o estado de resistência do organismo às infecções, em geral associado à presença de anticorpos que possuem ação específica sobre o microrganismo responsável por uma doença infecciosa ou sobre suas toxinas. Isso significa que o seu corpo está preparado para enfrentar o agente invasor, evitando problemas de saude associadas ao virus.2 

Como é descrito em estudos, o virus da gripe é bastante contagioso e exitem várias formas de transmissão do mesmo. As três principais formas de transmissão são: por gotículas expelidas durante a tosse, espirro ou fala, que alcançam até um metro e meio de distância da pessoa infectada; transmissão por aerosol, partículas pequenas que ficam suspensas no ar e podem ser inaladas pela pessoa e através transmissão por contato, quando o vírus é transferido para as mucosas (boca, nariz, olhos) diretamente ou por meio de um objeto ou pessoa contaminados.

Sendo assim, visto que o vírus da gripe tem um elevado potencial de transmissão, é necessário vacinar o máximo de pessoas possível para que estas fiquem imunes ao vírus. Ao termos uma porcentagem da população imune ao vírus é possivel alcançar a “imunidade de grupo” ou “imunidade de rebanho”. 

A imunidade grupo é definida como proteção indireta contra uma doença infecciosa que ocorre quando uma população está imune por vacinação ou imunidade desenvolvida por infecção anterior. A OMS apoia a obtenção da "imunidade de grupo" por meio da vacinação, uma vez que reduz a transmissão da doença em na população, reduzindo casos e mortes.4

A porcentagem de pessoas que precisam estar imunes para obter imunidade de grupo varia com cada doença. Por exemplo, a imunidade de grupo contra o sarampo exige que cerca de 95% da população seja vacinada. Os 5% restantes serão protegidos pelo fato de que o sarampo não se espalhará entre os vacinados. Para a poliomielite, o limite é de cerca de 80%.4

Através do estudo “The vaccination coverage required to establish herd immunity against influenza viruses” observou-se que a porcentagem necessária para estabelecer a imunidade de grupo contra os vírus da gripe variou de 13% a 100% para os vírus pandêmicos de 1918-19, 1957-58, 1968-69 e 2009-10, e de 30% a 40% para o vírus epidêmico de 2008-09. Os objetivos da cobertura vacinal propostos nos Estados Unidos - 80% em pessoas saudáveis e 90% em pessoas de alto risco - são suficientes para estabelecer a imunidade de rebanho, enquanto os propostos na Europa - apenas 75% em idosos e pessoas de alto risco - são não suficiente.5 É necessário, portanto, concluir que a cobertura vacinal contra influenza deve ser aumentada de forma a obter uma imunidade de grupo.
 
A vacinação contra a gripe demonstrou ser particularmente importante para crianças, idosos e aqueles com comorbidades associadas, resultando em uma alta carga socioeconômica devido ao afastamento das atividades de trabalho, perda de produtividade, aumento dos custos de saúde e consumo de antibióticos.6

A OMS salienta que a forma mais efetiva de se prevenir a gripe e suas complicações é através da vacinação, que tem sido recomendada e utilizada a mais de 60 anos.1