Esse material apresenta uma análise da maneira como o tratamento do tromboembolismo venoso (TEV) é administrado, além do ambiente e os processos atuais relacionados à prevenção do TEV, abordando os obstáculos e ferramentas para melhorar e prevenir as falhas do processo atual de prevenção do TEV.

Para a identificação dos obstáculos mais comuns à melhoria do processo de prevenção do TEV, a equipe deve tomar algumas decisões importantes sobre a abordagem inicial do protocolo, objetivando a padronização e a mensuração do processo assistencial, identificando, assim, as práticas mais frequentes no que tange à adequação da profilaxia do TEV, sempre considerando o risco atribuído e o risco de sangramento.1

Além dos obstáculos, ainda é possível identificar diversas oportunidades de melhoria no processo de prevenção do TEV. Um modo de falha muito comum nas organizações é a falta de protocolos ou do conjunto de intervenções padronizadas para a profilaxia do TEV. Entender cada ponto de falha no mapa do processo de profilaxia do TEV ajuda a identificar as oportunidades perdidas de prevenção.1

Para a criação de intervenções, é necessário mapear e entender como é feita a administração do tratamento atual, e um mapa de processo ajudará a identificar as falhas e as oportunidades perdidas de prevenção do TEV.

São muitos os passos que precisam ser coordenados para que seja alcançado o objetivo final que é a adequação da profilaxia do TEV. Existe uma interface e uma inter-relação com diversos processos, desde a prescrição médica até a análise técnica do farmacêutico, a dispensação da profilaxia, seja ela medicamentosa ou mecânica, e a administração do tratamento. Nesse sentido, a busca por falhas na administração da profilaxia também é muito comum.1