Apresentação

Os cuidados em Saúde Mental mudaram, as demandas também. A pandemia de Covid-19 proporcionou impactos marcantes na vida da população mundial. No caso do Brasil, o aumento do número de pessoas com condições como depressão, ansiedade e insônia reforça a grande necessidade de informação e dedicação dos profissionais em prol da redução dos impactos da doença na Saúde. Pensando nisso, neste conteúdo disponibilizamos três panoramas enriquecedores de 2020, já se preparando para 2021.

Ao considerar a importância de proporcionar conhecimento sobre as consequências que uma doença altamente prevalente pode gerar para a sociedade mundial, separamos dados atuais sobre a depressão. A doença afeta milhões de pessoas no mundo, sendo motivo de atenção tanto para os pacientes quanto para os profissionais do setor. Além disso, a ansiedade e a insônia também são abordadas neste material. Como três condições que podem afetar diretamente a qualidade de vida da população, é essencial que os prestadores de serviço de saúde estejam bem informados.

Por último, você encontrará informações complementares sobre o papel da Telemedicina neste momento e os desafios que envolvem a adesão ao tratamento. Esperamos que este panorama seja útil e possa agregar informações a sua carreira profissional e ao cuidado com o paciente. Afinal, atualização e promoção de saúde são aspectos cruciais na prática médica.

Panorama – Depressão

A pandemia de Covid-19 gerou impactos significativos no âmbito da saúde mental de diversas populações mundiais. Com mais de 1,3 milhão de óbitos pela doença e um período de isolamento social vivenciado por bilhões de pessoas, o número de casos de depressão e demais condições relacionadas à saúde mental aumentou de forma abrupta1,2. Neste Infográfico, apresentamos informações sobre a depressão, divulgadas em 2020, e os impactos da pandemia sobre os índices que envolvem a doença.
 
Paralisações nos serviços de apoio2,7

Em uma pesquisa recente da Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 60% dos países relataram interrupções nos serviços de saúde mental para pessoas vulneráveis, incluindo crianças e adolescentes (72%), adultos mais velhos (70%) e mulheres que precisam de serviços pré-natais ou pós-natais (61%). Além disso, houve interrupções em 67% dos casos de aconselhamento
 
Panorama – Ansiedade

Durante a pandemia de Covid-19, intervenções de saúde pública ocorreram no Brasil e no mundo, com a utilização de medidas aplicadas para o controle da transmissão do vírus. Tais mudanças, como o isolamento social e o fechamento de empresas, proporcionaram um grande impacto na saúde mental de diversos indivíduos, o que, consequentemente, provocou um aumento no aparecimento de sintomas relacionados à ansiedade8. Neste Infográfico, apresentamos informações sobre a ansiedade em 2020 e os impactos da pandemia sobre os índices que envolvem essa doença.
 
De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o Brasil é o país mais ansioso do mundo4. Além disso, dados recentes com base em amostras de 16 países revelam que o Brasil é o que mais sofre com ansiedade em razão da pandemia de coronavírus12.
O papel das notícias diárias

Pesquisas revelam que a ansiedade também pode estar diretamente ligada às notícias disseminadas pela mídia ou por meio de redes sociais sobre a transmissão de Covid-19. Além disso, os rumores gerados a partir de uma informação podem desencadear ainda mais casos14.

Por outro lado, os mesmos dados revelam que informações mais recentes e precisas, como o número de pessoas que melhoraram e o progresso de medicamentos e vacinas em relação ao combate à doença, podem reduzir os níveis de ansiedade14.

Panorama - Insônia


A insônia é um distúrbio de sono que afeta de forma intensa e negativa a qualidade de vida de um indivíduo. Nesse sentido, reconhecer a presença da condição e tratá-la são atitudes essenciais, principalmente em época de pandemia, em que a Covid-19 é motivo de preocupação e ansiedade para muitas pessoas. O tratamento adequado da insônia reduz sintomas de transtornos psiquiátricos e, até mesmo, as chances de suicídio15. Neste Infográfico, apresentamos dados que mostram como está a qualidade do sono da população mundial em 2020 e os impactos da pandemia sobre os índices que envolvem a condição no Brasil.

Comorbidades
Os distúrbios do sono podem estar diretamente associados a ansiedade, depressão e comportamento suicida. Dessa forma, com o aumento do número de casos de insônia e de demais condições durante a pandemia, a Organização das Nações Unidas (ONU) chama atenção da população e dos governos mundiais para a promoção de medidas de prevenção e de investimentos em saúde mental15,16.

No mundo inteiro, pessoas reconhecem a importância de uma boa noite de sono para sua saúde17:
  • 87% acreditam que o sono infl uencia em sua saúde física17
  • 86% acreditam que o sono infl uencia em sua saúde mental17
  • 61% concordam que distúrbios de sono prejudicam a memória17
  • 75% concordam que distúrbios de sono fazem com que eles sejam menos produtivos17
Qualidade do sono e exaustão

Um estudo recente19, realizado no Brasil, teve como objetivo mostrar o impacto da pandemia na vida do jovem. Nele, é possível notar as grandes dificuldades que estão sendo e serão enfrentadas daqui em diante. A pesquisa demonstrou que 55% da população jovem teve piora na qualidade do sono, enquanto 70% sentiram piora em seu estado emocional19.

Um estudo realizado20 pela Associação Brasileira de Medicina do Sono (ABMS) e pela Associação Brasileira do Sono (ABS), revelou que 41% dos profissionais de Saúde apresentam novas queixas ou piora nos quadros de insônia20.
 
O sono é considerado ainda mais importante para a saúde do que a dieta e os exercícios físicos17.

Covid-19: Telemedicina e adesão ao tratamento


Entenda como a crise de Covid-19 impactou os tratamentos em 2020 e saiba mais sobre os principais desafios da Telemedicina nesse cenário

A pandemia de Covid-19 tem transformado a Medicina. Além do alto número de atendimentos, óbitos e novos problemas de saúde causados pela doença, os profissionais da Saúde precisam lidar com a dificuldade de adesão a terapias em andamento ou que se iniciariam nesse período.

Ao todo, enquanto a demanda por saúde mental aumenta, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a pandemia interrompeu serviços essenciais de saúde mental em 93% dos países22. Tal dado revela que se adaptar a esse cenário tornou-se uma necessidade. Portanto, a Telemedicina surge como facilitadora do relacionamento médico-paciente e contribui para a redução dos impactos negativos da Covid-1923-25.

Estudos revelam que os efeitos desse período, vivenciado internacionalmente, têm afetado de forma crescente a qualidade de vida de diversas pessoas25,26. Entre as possíveis consequências da pandemia na vida da população está o desenvolvimento de estresse, sentimentos de desamparo e insegurança, solidão, insônia, depressão e ansiedade, até ideações, tentativas e/ou suicídio consumado. Por isso, uma dedicação intensa em prol de conscientização e adesão, realizada pelos responsáveis pelo cuidado destinado a essas condições, se tornou prioridade mundial26.

Veja a seguir, como a Telemedicina pode colaborar com essa questão e entenda os desafios que envolvem as consultas à distância.
 
Um estudo realizado6 pela Associação Brasileira de Medicina do Sono (ABMS) e pela Associação Brasileira do Sono (ABS), revelou que 41% dos profissionais de Saúde apresentam novas queixas ou piora nos quadros de insônia6.

O sono é considerado ainda mais importante para a saúde do que a dieta e os exercícios físicos3.