1) As farmácias comunitárias são locais de fácil acesso e, por isso, podem representar pontos estratégicos para o cuidado em saúde da população. Nesse sentido, como o farmacêutico pode contribuir na promoção da saúde da mulher? Como a Farmácia Comunitária atua no controle da natalidade, obesidade, hipotireoidismo, patologias que sabemos que acometem o dia a dia da mulher? 

A Farmácia Comunitária complementa o cenário do cuidado em saúde, indo além da dispensação de medicamentos e garantia do acesso ao tratamento. A implantação dos serviços farmacêuticos possibilita o rastreio de novas doenças em pessoas de determinada região, assim como o acompanhamento daqueles que já apresentam alguma patologia crônica e necessitam utilizar medicamentos para controle. A mudança de posicionamento de Ponto de Venda (PDV) para Ponto de Cuidado (PDC) ampliou a contribuição dos farmacêuticos na promoção da saúde da população. 

Falando em saúde da mulher, a jornada do cuidado se expande a todas as faixas etárias, indo do nascimento até a terceira idade. A mulher costuma ter um perfil cuidador, seja da família ou da própria saúde, e as modificações fisiológicas ao longo de seu desenvolvimento direcionam os serviços farmacêuticos a cuidados específicos. Ou seja, é estratégico para o canal farma investir em salas de atendimento para esse público. Para ilustrar as possibilidades de cuidado, é possível realizar teste de gravidez (Beta-HCG) na Farmácia Comunitária e a cliente recebe o resultado laudado por e-mail em até 20 minutos. Outro serviço que tem sido bastante procurado pelas mulheres é a avaliação de medidas antropométricas (como peso, altura, índice de massa corpórea) e parâmetros apontados pela bioimpedância, que trazem informações úteis para rastreamento de outros problemas de saúde.

A implantação dos serviços

A implantação dos serviços farmacêuticos possibilita o rastreio de novas doenças em pessoas de determinada região, assim como o acompanhamento daqueles que já apresentam alguma patologia crônica e necessitam utilizar medicamentos para controle.


Falando em saúde da mulher

Falando em saúde da mulher, (...) é estratégico para o canal farma investir em salas de atendimento para esse público. Para ilustrar as possibilidades de cuidado, é possível realizar teste de gravidez (Beta-HCG) na Farmácia Comunitária e a cliente recebe o resultado laudado por e-mail em até 20 minutos.


Outro serviço que tem sido bastante

Outro serviço que tem sido bastante procurado pelas mulheres é a avaliação de medida antropométricas (como peso, altura, índice de massa corpórea) e parâmetros apontados pela bioimpedância, que trazem informações úteis para rastreamento de outros problemas de saúde. 

2) Durante a pandemia, a população acabou recebendo muitas informações incorretas ou imprecisas (as chamadas fake news). Quais são os desafios dos farmacêuticos em relação aos pacientes que buscam a automedicação para prevenção ou tratamento da COVID-19?

Os farmacêuticos são os responsáveis sanitários pelas Farmácias Comunitárias, cumprindo diversas funções, e uma delas é a educação em saúde. Essa atividade envolve a preparação da equipe de atendimento com informações pautadas nas atualizações regulatórias e técnicas sobre medicamentos, produtos e serviços. Dessa forma, as informações transmitidas aos clientes têm como objetivo promover o uso racional de medicamentos e garantir acesso seguro ao tratamento, respeitando os critérios de segurança e qualidade. 

Desde março de 2020, quando os primeiros casos de COVID-19 apareceram no Brasil, os farmacêuticos enfrentam uma verdadeira batalha de informação sobre prevenção e tratamento contra o novo coronavírus. Informações incorretas ou imprecisas (chamadas fake news), difundidas em redes sociais e na mídia, confundem a opinião popular sobre as medidas corretas de autocuidado e geram pânico na população vulnerável. Nossa luta é justamente traduzir informações científicas e seguras em uma linguagem acessível aos brasileiros, fortalecendo a percepção sobre medidas corretas de prevenção, cuidado e controle. Um forte exemplo de fake news é o estímulo à automedicação com Ivermectina. Não há qualquer evidência científica amparando sua posologia e efeitos terapêuticos contra COVID-19. Pelo contrário, existem publicações sobre os graves efeitos de toxicidade hepática relacionados à Ivermectina. Nesse sentido, os farmacêuticos trabalham arduamente na promoção do uso racional de medicamentos, utilizando informações científicas convertidas em linguagem acessível, garantindo a segurança da população.

A nossa luta

Nossa luta é justamente traduzir informações científicas e seguras em uma linguagem acessível aos brasileiros, fortalecendo a percepção sobre medidas corretas de prevenção, cuidado e controle.

3) Quais são as orientações em relação às vacinas da COVID-19, da gripe e demais vacinas? Como orientar o paciente em relação aos intervalos entre a vacina da COVID-19 e as demais? Como priorizar a vacinação para essas doenças? 

As recomendações do Ministério da Saúde para a vacinação contra a COVID-19 são priorizar profissionais de saúde, idosos e portadores de doenças crônicas. Professores do ensino infantil, fundamental e médio também devem ser priorizados, já que estão na linha de frente nas escolas. Porém, caso tenham quadros sugestivos de infecção por coronavírus, a aplicação da vacina deve ser adiada.  

Em relação às vacinas do calendário normal, o intervalo recomendado entre a administração da vacina da COVID-19 e a aplicação de qualquer outra é de, pelo menos, 14 dias. Neste momento, as imunizações contra pneumonia e gripe estão sendo priorizadas pelo fato de ampliarem a segurança da população contra doenças respiratórias, reduzindo as chances de agravamento e a busca por atendimentos em saúde.

A vacina contra a pneumonia tem sido recomendada durante a pandemia pois é uma das complicações graves da COVID-19. É indicada para os extremos de vida, principalmente idosos, mesmo sem patologia crônica.

A vacina contra a gripe (influenza) é indicada a partir dos 6 meses de vida. Se a criança for vacinada entre o sexto mês e o nono ano, a recomendação é a aplicação de duas doses com intervalo de um mês. Desse ponto em diante, a vacinação torna-se anual até a fase idosa. Pessoas que tiveram COVID-19 devem aguardar 30 dias para receber a vacina da gripe. A contagem desses 30 dias é correspondente ao tempo de início dos sintomas ou do primeiro dia do resultado positivo do RT-PCR. A importância da participação popular na Campanha Nacional de Vacinação, principalmente dos grupos de risco, está na redução da incidência da doença e na prevenção de hospitalizações.

Em relação as vacinas

Em relação às vacinas do calendário normal, o intervalo recomendado entre a administração da vacina da COVID-19 e a aplicação de qualquer outra é de, pelo menos, 14 dias.


As imunizações contra pneumonia

As imunizações contra pneumonia e gripe estão sendo priorizadas pelo fato de ampliarem a segurança da população contra doenças respiratórias, reduzindo as chances de agravamento e a busca por atendimentos em saúde.


Pessoas que tiveram COVID-19

Pessoas que tiveram COVID-19 devem aguardar 30 dias para receber a vacina da gripe. A contagem desses 30 dias é correspondente ao tempo de início dos sintomas ou do primeiro dia do resultado positivo do RT-PCR.