Atualmente, a doença cardiovascular isquêmica segue como uma das principais causas de morte no mundo,1 e vários estudos demonstraram que o hipotireoidismo clínico e o subclínico são fatores de risco independentes para a patogênese da aterosclerose e aumento de risco e morte cardiovasculares.

Os mecanismos pelos quais os hormônios tireoidianos afetam o sistema cardiovascular são complexos e envolvem tanto efeitos metabólicos quanto hemodinâmicos.2 

A diminuição de risco cardiovascular pela reposição de levotiroxina é bem estabelecida no hipotireoidismo clínico; mas, no caso do hipotireoidismo subclínico, resultados benéficos estão relacionados a populações específicas:3  indivíduos com menos de 65 anos de idade; indivíduos entre 65 e 79 anos de idade, na presença de outros fatores de risco cardiovascular e se TSH ≥7,0 mU/L; e indivíduos com TSH ≥10 mU/L.4