Existem meios de estratificar as principais intervenções e auxiliar a equipe a abordar todos os modos de falha no processo de prevenção do TEV.1

Entre eles estão: 
  • A revisão dos esforços para integrar o protocolo de profilaxia de TEV aos processos de internação e de transferência entre unidades assistenciais. Os lembretes sobre profilaxia de TEV integrados à anamnese, ao exame físico e às visitas multidisciplinares a beira leito.
  • O checklist no momento da alta, quando há necessidade de profilaxia estendida.
  • A auditoria e o feedback, que contribuem para o sucesso do desempenho e o processo e identificam grupos que se beneficiariam de abordagens educacionais.
  • A educação de enfermeiros e técnicas de vigilância ativa, que podem monitorar e melhorar a administração confiável de profilaxia mecânica.
  • Os programas de deambulação precoce, que podem melhorar os resultados pós-cirúrgicos, principalmente nas cirurgias ortopédicas.1
Por fim, o monitoramento em tempo real pode elevar à melhoria da qualidade ao nível 5, com desempenho da adequação da profilaxia de TEV maior que 90%.1