1. O uso de suplementos de cálcio aumenta o risco de calcificação e de eventos adversos cardiovasculares?


Os benefícios do uso de suplementos à base de cálcio para a saúde óssea de crianças, jovens adultos e mulheres na menopausa já foram demonstrados.1 As formas mais comuns de suplementação são com o uso do carbonato e citrato de cálcio, sendo o carbonato de cálcio a forma que apresenta maior custo-efetividade.1 Uma extensa revisão da literatura, que incluiu várias metanálises e estudos prospectivos, reforça a segurança dos suplementos de cálcio, seja em uso isolado, seja em associação a suplementos de vitamina D.2 

Embora estudos iniciais sem desfechos controlados tenham sugerido associação dos suplementos de cálcio com incremento do risco de infarto agudo do miocárdio,3 estudos mais recentes demonstram que as evidências da ocorrência de eventos cardiovasculares como consequência do uso de suplementos na forma de carbonato de cálcio não é convincente.2 A ingestão diária de cálcio, em torno de 600 a 1.400 mg, por meio da dieta ou do uso de suplementos, não produz incremento do risco de eventos nem de morte cardiovascular.4 A suplementação é segura e recomendada para redução do risco de fraturas em pacientes com fragilidade óssea e baixa ingestão de cálcio.2,5-7 

Há poucas evidências que apoiem a sugestão de que suplementos na forma de carbonato de cálcio levem a aumento da calcificação vascular, espessura de íntima-média de carótida ou aterosclerose carotídea.1 Em estudo aleatorizado e controlado que analisou 1103 mulheres idosas suplementadas com cálcio ou placebo por 3 anos, não houve aumento de aterosclerose clínica ou subclínica com o uso de suplemento de carbonato de cálcio.1

2. Quais são os eventos adversos gastrointestinais associados aos suplementos de cálcio?


Apesar de bem tolerados, os suplementos de cálcio podem causar constipação, gases, flatulência e plenitude gástrica.8 O carbonato de cálcio tem sido a formulação mais frequentemente associada a essas queixas.3,8 Na prática clínica, é importante não exceder a recomendação diária (considerando-se a ingestão pela dieta e o uso de suplemento).8 O citrato de cálcio pode substituir o carbonato de cálcio quando há constipação, gases ou flatulência. Entretanto, é importante descartar outras causas, como intolerância à lactose ou à frutose, sensibilidades alimentares, disbiose ou doença celíaca.8

3. A administração dos suplementos de cálcio deve ser feita com ou sem alimentos?


A absorção do cálcio a partir do carbonato necessita de acidez gástrica para promover a adequada dissolução do sal.8,9 Na administração em jejum, a absorção dos sais de cálcio pode ser reduzida.9,10 Por outro lado, a presença de acloridria e de alimentos pode reduzir a absorbabilidade do carbonato de cálcio.9,10 Dessa forma, quando o objetivo é a suplementação em pacientes com baixa ingestão de cálcio, o carbonato de cálcio deve ser ministrado de preferência após refeições leves.9,10 

4. Existe diferença de conteúdo e biodisponibilidade de cálcio entre os suplementos?


O conteúdo de cálcio varia significativamente entre os suplementos.8 Os suplementos de carbonato de cálcio contêm 40% de cálcio, enquanto os suplementos de citrato de cálcio contêm apenas 21% de cálcio.8 Uma desvantagem associada ao uso de suplementos de citrato de cálcio é a necessidade de tomar mais comprimidos ou cápsulas para tornar a dose equivalente à do carbonato de cálcio.8 A necessidade de mais comprimidos pode afetar a adesão ao tratamento.8 Embora estudos demonstrem biodisponibilidade similar entre as formulações, algumas evidências sugerem que o citrato de cálcio é mais biodisponível que o carbonato de cálcio quando administrado com uma refeição.8 Esses estudos reforçam o conceito de que a absorção de cálcio do carbonato necessita de acidez gástrica e pode ser otimizada com a administração após refeições leves.8