Indicações1

1. Após eventos adversos graves e ocorridos com a aplicação da vacina DTP ou com a vacina penta de células inteiras:

  • Convulsão febril ou afebril nas primeiras 72 horas após a vacinação.
  • Síndrome hipotônico-hiporresponsiva nas primeiras 48 horas após a vacinação.

2. Para crianças que apresentem risco aumentado de desenvolvimento de eventos graves à vacina DTP ou à vacina penta de células inteiras:
  • Doença convulsiva crônica.
  • Cardiopatias ou pneumopatias crônicas com risco de descompensação em vigência de febre.
  • Doenças neurológicas crônicas incapacitantes.
  • RN que permaneça internado na unidade neonatal por ocasião da idade de vacinação e RN prematuro extremo (menor de 1.000 g ou 31 semanas de gestação).

3. Preferencialmente, nas seguintes situações de imunodepressão:
  • Pacientes com neoplasias e/ou que necessitem de quimioterapia, radioterapia ou corticoterapia.
  • Pacientes com doenças imunomediadas que necessitem de quimioterapia, corticoterapia ou imunoterapia.
  • Transplantados de órgãos sólidos e células-tronco hematopoiéticas (TMO).

 

Diferenças entre as vacinas1


Pentavalente acelular
– Vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis, poliomielite inativada (VIP) e Haemophilus influenzae tipo b (conjugada).
Diferença entre a pentavalente acelular e a pentavalente disponível nos postos de saúde: além de possuir componente pertussis acelular, a penta acelular possui imunizante contra a pólio, enquanto a penta de células inteiras possui imunizante contra hepatite B.

Hexavalente – Vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis, poliomielite inativada (VIP), hepatite B (recombinante) e Haemophilus influenzae tipo b (conjugada). 
A vacina hexavalente confere proteção para 6 doenças: difteria, tétano, pertussis (componente acelular), poliomielite, Haemophilus influenzae tipo b e hepatite B.