Neste vídeo, Dr. Gustavo Schvartsman comenta sobre alguns estudos clínicos que avaliaram o uso de cemiplimabe para carcinoma espinocelular avançado. O estudo C.A.S.E., prospectivo, de mundo real, multicêntrico e longitudinal, avaliou a eficácia, segurança, qualidade de vida e sobrevivência em pacientes com CEC de pele avançado tratados com cemiplimabe.

Foram 350 pacientes, sendo que o estudo ainda está recrutando, e desses, em um subgrupo de 30 pacientes com doença autoimune ou imunossupressão, a taxa de resposta foi de 45,5%, (IC 95%; 24.4 - 67.8) não tendo sido obtida remissão completa. Em relação à segurança, 73% dos pacientes estavam com o tratamento em andamento e foi necessária a interrupção do tratamento em 8 dos 30 pacientes.

Em relação ao carcinoma basocelular localmente avançado, outro estudo clínico, de fase 2, abordou questões relativas à qualidade de vida dos pacientes. Os resultados do estudo demonstraram que houve uma melhora clínica e uma porcentagem significativa dos pacientes experenciaram melhora dos sintomas. Em destaque, 31% dos pacientes relataram melhora clínica da dor e 44% reportaram estabilidade desse sintoma. Além disso, cerca de 40% dos pacientes apresentaram melhora do estado de saúde mental.

Para mais informações sobre os estudos, assista ao vídeo completo!