O uso da viscossuplementação (VS) no tratamento da osteoartrite (OA) do joelho já está bem estabelecido.1 Entretanto, o uso dessa modalidade de tratamento na OA de quadril é mais recente, carecendo ainda de estudos robustos para suportar adequadamente seu uso. Ao verificar a literatura existente para o uso na OA do quadril, encontramos inúmeras lacunas referentes à correta indicação, quanto à associação ao corticoide intra-articular, à existência de diferença entre as diversas apresentações do ácido hialurônico (AH), ao número de infiltrações, à sua viabilidade econômica e seus reais efeitos, entre outras. Buscando contribuir para sanar essas dúvidas e, após o grande sucesso do Consenso Brasileiro de Viscossuplementação do Joelho (COBRAVI), a Sociedade Brasileira de Osteoartrite, Osteoporose e Sarcopenia (BRASOS) decidiu pela realização de um Consenso Brasileiro de Viscossuplementação do Quadril, o COBRAVI Q. Este artigo já está aceito para publicação na revista ACTA Ortopédica Brasileira e em breve estará disponível online.

Metodologia


Foi realizado um painel multidisciplinar com 15 especialistas (ortopedistas, fisiatras, médicos do esporte e reumatologistas) com experiência clínica e acadêmica no uso da VS na OA do quadril. Foram elaboradas e discutidas doze afirmativas referentes às principais dúvidas na utilização dessa terapêutica. Realizou-se uma extensa revisão da literatura pertinente, e os artigos selecionados foram analisados pelos membros do painel. Posteriormente, foi feito um encontro presencial dos participantes, no qual cada membro do painel deu um valor entre 0 e 10 numa escala tipo Likert, especificando seu nível de concordância com cada afirmação. Foi, então, estabelecido o nível de concordância entre os participantes do painel para cada afirmativa. 

Resultados


A seguir, encontram-se as principais alternativas discutidas pelos membros do painel:


Afirmativa 1


A melhor indicação é para AO de quadril leve a moderada

Concordância


Fortemente a favor.

A literatura tem uma clara indicação a favor do uso da VS nos casos considerados leves a moderados, em que seu uso possibilita uma importante diminuição da dor e ganho de mobilidade articular, melhorando a qualidade de vida.2-4
 

A literatura tem uma clara indicação a favor do uso da VS nos casos considerados leves a moderados, em que seu uso possibilita uma importante diminuição da dor e ganho de mobilidade articular, melhorando a qualidade de vida.

Afirmativa 2


Pode ser indicada nos casos de AO grave do quadril.

Concordância
Fortemente a favor.

Nos casos da AO grave, foi discutido que as propriedades do AH não serão capazes de reverter as alterações deletérias da AO. Seu uso seria mais para postergar a artroplastia do quadril, porém não há literatura substancial que suporte essa evidência

Afirmativa 3
O uso prévio ou concomitante do hexacetonido de triancinolona intra-articular pode potencializar o efeito da VS.

Concordância
Moderadamente a favor.

A opinião dos especialistas é de que a associação de hexacetonido de triancinolona à VS proporciona um efeito analgésico mais rápido e mantém o efeito mais duradouro da VS. Por isso, a maioria prefere fazer uso da associação à VS isolada.

Afirmativa 4


A VS não deve ser realizada como procedimento isolado no tratamento da AO, mas em conjunto com outras medidas reabilitadoras e farmacológicas.

Concordância
Unânimes a favor.

Na opinião dos especialistas, é consenso na literatura que a VS deve ser utilizada em conjunto com outras medidas, uma vez que o tratamento da AO é multimodal, englobando perda de peso, exercícios específicos, fisioterapia, medicamentos paliativos, entre outras.5

Afirmativa 5


A melhor técnica para infiltração de VS no quadril deve ser baseada nas referências anatômicas acopladas à guiagem por ultrassonografia.

Concordância
Fortemente a favor.

Segundo os especialistas, a presença do feixe vásculo-nervoso e a profundidade do quadril reforçam a necessidade do uso de alguma técnica guiada para realizar a infiltração. Além da ultrassonografia, foram sugeridas a radioscopia e a tomografia computadorizada, dependendo da infraestrutura local, como método de imagem para a realização do procedimento. O ultrassom é preponderante, tanto pela simplicidade de uso como pela ausência de riscos para os operadores e pacientes.3,6

Afirmativa 6


A VS gera redução de custo para o Sistema de Saúde Suplementar, sendo procedimento custo-efetivo.

Concordância
Fortemente a favor.

Para os especialistas, esse é um tema difícil, dada a escassez de estudos sobre o assunto, principalmente no que tange à literatura nacional. Migliore e cols.7 observaram que o uso de VS no sistema de saúde italiano, nos casos de OA do quadril, reduziu o custo no tratamento, por retardar os procedimrnyod cirúrgicos como a artroplastia e suas complicações, além de reduzir o uso de medicamentos por via oral e seus efeitos colaterais e a necessidade de fisioterapia. Entretanto, Pasquale e cols.8 têm visão contrária, relatando que a artroplastia seria mais barata do que tratar com viscossuplemento.

Conclusão


Esse consenso é a continuidade do estudo da aplicação da viscossuplementação no tratamento da OA nas articulações humanas, iniciado com o COBRAVI joelho. Os especialistas, autores desse trabalho, concluem que o uso de AH no tratamento de OA do quadril é uma alternativa terapêutica que deve ser utilizada, mesmo em casos graves, em função da sua segurança, eficácia pela melhora da dor, função, melhorando a qualidade de vida do paciente, independente do tipo de AH a ser utilizado, salientando que o uso de métodos guiados torna o procedimento mais seguro e efetivo.