A abordagem tem mais chance de sucesso se for tratada de maneira multidisciplinar, embora a avaliação do risco de um indivíduo desenvolver TEV siga algoritmos específicos.3 A escolha do método deve ser baseada na classificação de risco.1 Os métodos físicos mais utilizados na profilaxia de TEV são: movimentação ativa e passiva, uso de meias elásticas de compressão gradual, compressão pneumática externa intermitente realizada por botas ou perneiras infladas e deambulação precoce.1,3,4 Entre as medidas de profilaxia de TEV, a tromboprofilaxia farmacológica pode ser adotada de forma a compreender o potencial de redução da morbimortalidade.1,2

O papel do farmacêutico hospitalar no gerenciamento do protocolo de TEV está relacionado ao Terceiro Desafio Global de Segurança do Paciente – Medicação sem Danos –, lançado em 2017 pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que tem como objetivo geral reduzir os danos evitáveis relacionados ao uso de medicamentos.5 Entre os fármacos frequentemente envolvidos em erros graves no mundo, estão os anticoagulantes orais e as heparinas.6,7  

Em 2005, programas norte-americanos de notificação de eventos adversos sugeriram que 3,6% dos erros de medicação notificados envolviam heparina não fracionada ou de baixo peso molecular.8 Dentre os erros de medicação que envolvem a enoxaparina, destacam-se as doses erradas.9 As doses prescritas de enoxaparina devem estar de acordo com a indicação terapêutica e ser ajustadas ao peso do paciente e ao clearance de creatinina,9 apoiados em rotinas adequadas para a mensuração ou estimativa do peso do paciente.9

Exemplos de alguns problemas no gerenciamento do protocolo de TEV:10 
  • Lapsos ou esquecimentos na prescrição de um medicamento necessário ao paciente; 
  • Falha de comunicação no processo de transição de cuidados;
  • Ausência de revisão ou conciliação medicamentosa.

Exemplo de algumas práticas seguras no protocolo de TEV:10
  • Protocolo institucional para conciliação medicamentosa; 
  • Procedimento padronizado para comunicação ao farmacêutico e à equipe de enfermagem quando novos medicamentos forem prescritos ou alterados; 
  • Envolvimento dos pacientes, familiares e cuidadores nos cuidados.